segunda-feira, 30 de janeiro de 2023

Análise: Muita cobrança, choro e merda sendo falados pela torcida



O imediatismo do torcedor chega a ser chato. Maior parte dos 9 milhões de torcedores esquecem que Ronaldo herdou uma dívida de R$ 1 bilhão, que salvou o Cruzeiro do fim e que é necessário criar mecanismos de arrecadação, principalmente devido ao impasse com a Minas Arena. Sem o Mineirão, o próprio clube perde com o programa de sócios e com renda. E isso reflete, também na capacidade de investimento em atletas.

Outro detalhe que o torcedor esquece: início de temporada. Depois de quase dois meses sem jogar, é natural que o ritmo só venha com o tempo, assim como o entrosamento. Aliás, chegaram 14 novos jogadores e 20 saíram. Isso também é mais que motivo para o time não estar mostrando, ainda, um bom futebol.

E vamos além: o elenco de 2023 é mais forte que o de 2022. Para tanto, precisa se entrosar, o pessoal se conhecer e isso só vem com a rotina e jogos. O Cruzeiro não tem, ainda, um time titular. Tirando Rafael Cabral e Gilberto, não há nenhuma outra unanimidade. 

Muita cobrança desnecessária até aqui. De ruim, basta a narração da Globo ou do SporTV. Vamos parar de choro, de mimimi, de merda pelos quatro cantos da internet. Cruzeiro precisa é de torcedor parceiro!


JOÃO VITOR VIANA 

quarta-feira, 25 de janeiro de 2023

Análise: Ronaldo tem muita força e de leão, Minas Arena passou a gatinho




Samuel Lloyd falou grosso e ouviu uma resposta que não esperava: Ronaldo se rebelou, acionou o governo do Estado e, de leão, Lloyd virou gatinho. Mudou o tom, já procurou o Cruzeiro e, segundo o CEO celeste, Gabriel Lima, farão nova proposta.

O Cruzeiro quer participação em tudo que acontece no estádio, incluindo bares, estacionamento e shows. A Minas Arena, que no passado fez um contrato bizarro com o governo do Estado, na gestão Aécio Neves/Anastasia, cresceu, agiu como se fosse rei e ainda falou uma porção de porcaria. 

O secretário de Estado, Fernando Marcato mandou a real e diante de fatos expostos, houve recuo. O Cruzeiro não vai dar um passo atrás no que decidiu. Minas Arena precisa fazer isso. Para quem disse que da receita de 2022, 80% foi com esporte, quem jogaria lá, se não o Cruzeiro? Por mais que para eles não faça diferença, para o Estado faz. E por questão gerencial e interesse público, pode o governo pedir revisão contratual. Já falam em nova CPI, a quarta tentativa desde a entrega do estádio, em 2012. As outras três foram arquivadas por motivos nunca explicados. Talvez tenha rolando muita coisa nos bastidores e é de conhecimento público que "deputado de bolso cheio, não leva denúncia adiante". Teria sido isso? Não dá para falar nem provar. Mas que há algo de podre no reino da Dinamarca... ah, isso há!

Vamos ver o que o senhor Debi, digo, Lloyd, fará na sequência. Na minha opinião, quando a Minas Arena ganhou a concessão, o intuito do atleticano Lloyd era de fazer do Mineirão o estádio do próprio clube. Talvez tenha se sentido traído ao ver o Zebrão ser construído por conta da MRV. E a nervosia se Lloyd acabou sendo descontada no Cruzeiro. Primeiro, pela nenhuma simpatia ao clube, segundo, pela posição das administrações Gilvan, caloteira; e Wagner Pires, corrupta; e, terceiro, por alegar, reiteradas vezes, que o Cruzeiro tem um débito milionário com a concessionária.

É inexplicável o que aconteceu e o alto custo que o estádio alega ter. Será mesmo que o valor gasto é real? Há um superfaturamento? Tudo ali é bem nebuloso e muita gente faz vista grossa.

Agora, com o grito de Ronaldo, as coisas vão mudar. Ou para ter um "cala boca" na Minas Arena, que sabe que está errada, ou para acabar, de vez, com esse câncer que se instalou, por falcatrua política. Aliás, que se investigue os governos coniventes com isso e prendam, se for o caso!

O Mineirão é o símbolo do futebol mineiro e é para isso que foi construído. Não é arena de show!

JOÃO VITOR VIANA

terça-feira, 24 de janeiro de 2023

Análise: Rompimento com a Minas Arena é apenas pano de fundo para uma relação nada amistosa, com conluio do Governo Estadual




O Cruzeiro anunciou que rompeu ligações com a Minas Arena. Nenhuma novidade, aliás. Desde o início, era visível a falta de vontade da Minas Arena com o Cruzeiro. Depois de uma "engenharia política", que levou o Mineirão a ser comandado por uma concessionária, tudo ficou ruim. As dimensões internas do estádio pioraram, o "cimentão" tomou conta do lugar no lugar das árvores, a gourmetização das bebidas e comidas tornaram os preços absurdos e o custo do Mineirão, segundo a atual administração, é alto.

Mas eles nunca se incomodaram em ter um custo baixo. Para eles, pouco importa. Com contrato até 2035, podendo ser prorrogado até 2042, é muito cômodo ficar, inclusive, fechado, uma vez que "se eles não tiverem o rendimento X no mês, o Estado é obrigado a indenizá-los". Ou seja, pode o Cruzeiro falar, espernear, bater na mesa. Tudo foi feito errado lá no passado e desde sempre as coisas não foram boas.

Enquanto o Governo Estadual mantiver esse contrato, estabelecendo um verdadeiro conluio com o dinheiro público, vai ser esse bordel a céu aberto. Mineirão, agora, é lugar de show e, quando quiserem, alguém joga lá, pagando um aluguel absurdo. Diante disso, o Cruzeiro anunciou que vai jogar no Independência em 2023, a não ser que as coisas mudem.

Isso é ruim para o Cruzeiro? Sim. Primeiro porque não ajuda o programa de sócios, muito pelo contrário, e justamente no ano em que o time voltou para a elite, vai ver apenas 20 mil e poucos torcedores em seus jogos. 

E outra: a Minas Arena já havia anunciado que a final do Mineiro não seria no Mineirão, porque havia show marcado para as datas. Ou seja, estão nem aí para o futebol, para o torcedor. Querem manter seu patamar de gastos nas alturas, torrar o dinheiro público e acham ruim quando Ronaldo fala sobre o assunto. Para eles, o Cruzeiro tem que engolir o que eles quiserem e eles são os donos do Mineirão. 

Por isso é necessário o Governador entrar no meio e acabar com essa baderna que criaram. Em troca de R$ 600 milhões, o Estado se comprometeu em pagar R$ 2,5 bilhões à Minas Arena. Quem faz um contrato desse precisa ser preso! 

Tudo leva a crer que o Cruzeiro, com a proposta de Betim em mãos, acerte sua vida indo para o estádio oferecido por Mediolli. Não foram, ainda, divulgados números. Mas se esse for o melhor caminho até o Mineirão voltar para o Estado, que assim seja. O Cruzeiro vai buscar sua casa, que nunca será o Independência, pelo tamanho, e não será o Mineirão, até o fim do contrato com a concessionária. 

Vamos ver até quando o Estado de Minas Gerais vai compactuar com esse rombo criado por imbecis no passado e que geraram toda essa lama para o futebol mineiro. 

JOÃO VITOR VIANA

sexta-feira, 20 de janeiro de 2023

Cruzeiro anuncia Gilberto



O camisa 9 do Cruzeiro em 2023 tem nome: Gilberto, 33 anos, ex-jogador do Bahia e que chega com a fama de artilheiro.

O anúncio foi feito pelo clube nesta manhã (20/1). O jogador assina por dois anos, podendo estender por mais uma temporada.

Gilberto é esperado na Toca II nos próximos dias para assinatura do contrato, exames médicos e contato com a imprensa.

JOÃO VITOR VIANA


quinta-feira, 19 de janeiro de 2023

Cruzeiro: numeração definida

 




Mais uma baixa: depois de Anderson, Fernando Henrique se lesiona e terá que passar por cirurgia



O volante Fernando Henrique sofreu uma lesão no menisco do joelho direito durante treinamento do Cruzeiro na Toca da Raposa II e precisará passar por cirurgia.

O clube celeste confirmou o problema na manhã desta quinta-feira (19/1). A cirurgia será conduzida nos próximos dias pelo médico do Cruzeiro, Sérgio Campolina. 

Fernando Henrique realizará todo o processo de recuperação no Departamento de Saúde e Performance no CT do clube. O prazo para retorno aos gramados não foi divulgado. 

Ex-Grêmio, o jovem jogador era sonho antigo da diretoria cruzeirense e chegou a ter negociações avançadas com o clube mineiro ainda em 2022.

A contratação, porém, só foi fechada em 10 de janeiro, nove dias antes de a lesão ser anunciada. O contrato de Fernando Henrique com o Cruzeiro vai até o fim de 2025. É a segunda baixa por lesão durante a pré-temporada celeste. 

Nessa segunda-feira (16/1), o clube informou que o goleiro reserva Anderson sofreu fratura na primeira costela do lado direito durante treino e desfalcará o time no início do Campeonato Mineiro. Não haverá necessidade de cirurgia.

FONTE: SUPERESPORTES



quarta-feira, 18 de janeiro de 2023

Análise: Jogo às 10h30 de um sábado não é ruim, mas é atípico para os atletas



Todo mundo sabe que o Campeonato Mineiro é um laboratório, época de fazer testes, entrosar time. Contudo, um detalhe diferente vai acometer alguns times na edição do Mineiro desse ano, que além da primeira fase ser diferente dos anos anteriores, com três grupos de quatro equipes, também começa com horário atípico.

O Cruzeiro estreará em casa no Campeonato Mineiro na manhã de um sábado. A partida entre a Raposa e o Athletic ocorrerá em 28 de janeiro, às 10h30, no Independência. O horário foi alterado pela Federação Mineira de Futebol, a FMF, nesta segunda-feira (17/1). Não é um horário ruim, mas os jogadores não estão lá acostumados, principalmente em se tratando de um verão. O horário anterior era 16h30.

Antes disso, porém, a equipe celeste faz a sua primeira partida na temporada de 2023, às 19h, dia 21, contra o Patrocinense, no Estádio Pedro Alves do Nascimento, em Patrocínio. 

Bagunça

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) decidiu nesta terça-feira (17) pelo início do Campeonato Mineiro de 2023 na data prevista: sábado, 21 de janeiro. Contudo, o STJD mantém os jogos do Ipatinga suspensos até segunda ordem.

É vergonhoso que coisas assim ainda aconteçam no futebol profissional. Quando algum time tenta, no tapetão, participar de uma competição, dá aquele ranço. Outro ranço é em ver uma equipe, ainda, colocar em campo atleta sem condição. O amadorismo toma conta desde o fim do ano passado. A Copa Itatiaia, o Copão  o campeonato da Liga Municipal, ambos de Contagem, são mais organizados.

JOÃO VITOR VIANA