segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024

Há muitas coisas a se resolverem, principalmente se não se sabe jogar com o regulamento




A eliminação ridícula e precoce do Cruzeiro diante do Sousa-PB, um time semiamador, trouxe à tona fragilidades do time, que ainda está longe de estar pronto. Não é porque venceu seu maior rival, com larga vantagem técnica e tática, que está tudo bem. Aliás, quando se tem setores cujos titulares (ou, agora, ex-titulares) fazem a diferença contra o próprio time, tudo tende a não dar certo.

Vale a pena dizer que quando o Cruzeiro joga para empatar, não tem competência. O jogo contra o Sousa foi o maior exemplo e muito me deixa pé atrás se o Cruzeiro jogar por dois resultados iguais na fase final do Mineiro. Com Néris e Machado em campo, não há placar em branco!

Estão chegando reforços, natural que outros saiam - Palácios deverá deixar o clube até o final da janela, por mais que os representantes dele forcem a barra dizendo que ele não sai. No entanto, a famosa palavra de reconstrução se mantém. Torcedor se deixa levar pela paixão, se ilude por uma ou mais vitórias e, no primeiro tropeço, começam a achar culpados e dizer que tudo é ruim.

Sabemos que um ou outro ali não dá mesmo e que o aproveitamento deles em campo mais atrapalha que ajuda. Mas esta intensidade de sentimentos é ruim. Porque num dia está tudo bom, no outro está péssimo, tem que demitir o técnico e o Ronaldo é horrível.

A inconstância de pensamento e de uma prcimônia na análise faz com quem muitas coisas não sejam entendidas. Uma delas é justamente essa noance do time, que é imensa ainda, por mais que a equipe tenha se capacitado em relação ao ano passado. Mas até mesmo os melhores do time estão passando por isso. Matheus Pereira, que deu passes para gols, perdeu pênalti e um gol feito no mesmo jogo. Este é o maior dos exemplos.

Então, nem tanto lá, nem tão cá. Mas uma coisa é certa: para jogar pelo regulamento, o Cruzeiro precisa estar mais coeso, com todos no mesmo pensamento. Nada de festinhas pós-eliminação, nada de desempenhos destoantes entre os atletas. É preciso uma harmonia, que ainda precisa ser trabalhada, interna e externamente.


JOÃO VITOR VIANA

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2024

Foi tranquilo: tudo como dantes, no quartel de Abrantes



Em partida que mais se assemelhou a um jogo-treino, o Cruzeiro bateu o Democrata, em Valadares, por 3 a 1. O time esteve bastante alterado, ou por conta de lesão, cartão ou opção do treinador Nico Larcamón. Contudo, diante de um adversário que não ofereceu tanta resistência, o Cruzeiro se impôs, abriu o placar logo cedo e, mesmo que tenha sofrido o empate, ainda no primeiro tempo voltou a ficar em vantagem. Os gols do primeiro tempo foram de Dinenno e Zé Ivaldo.

Na volta do intervalo, o Cruzeiro continuou mandando no jogo e obrigou o goleiro adversário a fazer boas defesas. Ou seja, o placar, finalizado com o gol de Papagaio, poderia ser bem mais dilatado.

O time se volta, agora, para a Copa do Brasil, quando vai pegar o Sousa, na Paraíba. Lucas Silva, Matheus Pereira, Robert, Romero e Marlon, ausentes do jogo contra o Democrata, 

E a tarefa terá um longo trajeto. Em vez de ir para João Pessoa, capital do Estado, por questão de logística e proximidade, o Cruzeiro embarca, ainda nesta segunda-feira (19/2) par Campina Grande, seguindo cerca de 300km, depois, de ônibus. Se fosse para João Pessoa a distância para Sousa seria superior a 420km.

O jogo contra o Sousa será quarta-feira, às 19h15, no Marizão.


JOÃO VITOR VIANA

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2024

Não adianta chantagem ou golpe baixo! Tentaram de novo se apequenando, mas o gigante venceu!



É incrível como dirigentes da SAF do lado de lá agem como seres nanicos quando o adversário é o Cruzeiro. Sob alegação de evitar problemas, conseguiram proibir torcedor celeste de ir ao galinheiro azul. Contudo, se calam quando a briga nas arquibancadas, com socos, sopapos e palavrões aconteceram aos montes e, ainda, gritos homofóbicos e tentativas de invasão do campo também foram realidade. Além disso, vários copos atirados no gramado e, pasmem, marmita com arroz e feijão tropeiro também voaram após o segundo gol. Mas querer que dirigentes de pensamentos pequenos venham a público justificar o injustificável e, ainda, a FMF faça algo, como punir o time que torce, é querer demais.

Para quem viu o jogo pela TV e teve a mínima noção quando o hino tocou, a parte "a imagem do Cruzeiro resplandece" foi simplesmente editada, com o hino tocando menos. E ainda, sob fogos, o que representa uma falta de respeito imensa. Coisa idiota de quem pensa que isso intimida ou fere alguém. 

Resumidamente: a diretoria do rival tem uma tala na cara, pensa de um jeito mesquinho e vil e leva isso para o campo, sendo conivente com a falta de respeito, a ignorância, a brutalidade de seus próprios torcedores e ao antijogo. No fim da partida, perdida por merecimento e pasmaceira, teve jogador ainda falando de "arbitragem duvidosa". Sem meu pênalti, eu não consigo? Rafael pegou até pensamento na partida e se tivesse os famosos "pênaltis mandrakes", ele pegaria também. 

Em um jogo em que o Cruzeiro soube lidar com a pressão, estádio com recorde de público, torcida única e todo um bastidor repleto de mensagens de ódio e tentativa de intimidação, o Cruzeiro se mostrou gigante e astuto. Uma Raposa na etimologia da palavra. Nó tático em meio à soberba do torcedor rival, que parece viver num mundo paralelo. Nas redes, frases como "se não for pelo menos 4, eu nem vou", ou "cabe um placar de nove de novo" não foram poucos. Por fim, uma choradeira sem fim e pessoas caladas, enraivecidas e no ódio. Não com o Cruzeiro, mas com o próprio time que, segundo eles, não entrou em campo com a vontade que um clássico exige.

O pensamento que fica é: será que a mente pequena dos dirigentes, o futebol por ódio e a soberba não foram os maiores problemas por ali? Devido à vitória celeste, merecida e que poderia ser mais dilatada, hoje, o rival sequer iria às semifinais do Mineiro. Pior que isso é ver que terá, na sequência, Athletic e Tombense, times que não são bobos e que podem fazer o galo cair do poleiro mais uma vez, como fez a fantástica Patrocinense.

O Cruzeiro está em reconstrução, está investindo aos poucos, fazendo aquilo que deve acontecer, no tempo que deve acontecer. Por mais que torcedor fale que Ronaldo não invista, que isso, que aquilo, o Cruzeiro iniciou 2024 com um time melhor e mais maduro. Há, obviamente, ajustes a serem feitos, melhoria física, chegada de um ou outro atleta (pelo menos três têm que vir para serem titulares). Mas temos um ótimo goleiro e dois dos melhores laterais do país na atualidade. Zé Ivaldo e João Marcelo fizeram uma zaga sólida e têm tudo para darem certo; Romero deu a base para Lucas Silva jogar muito bem e Matheus Pereira dispensa apresentações. No ataque, ajustes maiores precisam ocorrer, principalmente pelas pontas, onde Robert e Arthur precisam render mais e subsidiar Dinenno com mais bolas. João Pedro pede passagem, Fernando terá sua oportunidade, mas tem gente chegando aí.

Em breve, Villalba e Cifuentes chegam a BH e outros, até final de março também podem chegar. Ao todo, sete estrangeiros podem compor o elenco do time e estarem em campo ao mesmo tempo. Logo, não seria estranho se pintassem mais gringos por aqui. 

O certo é que o Cruzeiro fez um bom jogo contra o rival. Venceu tudo e todos e com inteligência. Jogamos a bomba para o lado de lá. Se ela vai explodir ou não, não é problema nosso.


JOÃO VITOR VIANA

segunda-feira, 29 de janeiro de 2024

Clássico com torcida única é ridículo! Mas quem combate rivalidade com humilhação não pode receber adversário mesmo!


No dia do batismo da Arena MRV, atos condenáveis, passíveis de multa e suspensão, foram amplamente divulgados e condenados. Contudo, quem tirou a porta dos banheiros, os papéis higiênicos, a água dos bebedouros... tudo ficou para lá, com direito, certamente, a risos enfadonhos e medíocres em mesas de botecos, por conta dos dirigentes do rival.

Diante de tudo que aconteceu, da pequenês administrativa, jogaram a culpa 100% na torcida do Cruzeiro, chamada de vândalos, devido às cadeiras quebradas. Quebrar cadeiras, como visitante ou mandante, é algo deplorável, com certeza. Uma pena que ainda não exista lei que faça com que o torcedor arque com isso. Com tantas câmeras no estádio, a identificação do infrator deveria ser na hora, com suspensão em assistir partidas nos estádios por determinado tempo. Mas em vez de os clubes brigarem por isso, resolvem não ter duas torcidas num mesmo ambiente, culpando a todos por delitos de poucos.

É ridículo, já diria Felipão. Torcida única em clássico sempre foi um espetáculo à parte. Mas como acreditam que evitar o encontro das torcidas por rotular tudo e todos como selvagens e, pior, eles próprios como incompetentes em assegurar os torcedores contra brigas, resolveram que uma só torcida tem o direito de ir ao estádio e empurrar o seu time. 

Lamentavelmente, a maioria paga pelos impropérios de quem não liga se está na rua, num ringue ou num estádio. O comportamento é o mesmo! 

Enquanto permitirem que os bandidos frequentem os estádios - porque é isso que são -, seja em meio à própria torcida ou com torcedores de um time rival, em todos os casos, todos estarão em risco. Mas dirigentes brasileiros e, neste caso, os mineiros, não estão preparados para este tipo de conversa.

É para ontem a discussão de leis que não apenas assegurem o torcedor, mas também uma que puna os infratores. Com segurança, o que se vê em boa parte dos estádios pelo mundo afora, a família, os idosos, as mulheres, homens e crianças terão um lazer durante a semana e aos sábados e domingos. Mas enquanto fecharem os olhos para os problemas e/ou enfrentá-los com incompetência, morosidade e covardia, será assim: os bons pagarão pelos pecadores e os pecadores, assíduos, continuarão sendo beneficiados.

O sistema, ao que parece, privilegia um pequeno grupo, de arruaceiros, de problemáticos, de bandidos. E quando vemos a conivência de diretorias para que eles continuem usando os espaços, comentendo os delitos (porque mesmo com torcida única acontecem), notamos que ser sócio é uma tarefa difícil, que ir com a família é algo temerário e, pior, que nada será resolvido, pois não há vontade política para isso.

Identifiquem os criminosos! Punam o acesso aos estádios! Invistam em tecnologia! Acabem com o problema! Até quando vamos ficar comentando esse tipo de assunto? Quem quer acabar com um problema, age. Por enquanto, só lamentações diante de uma decisão imbecil.  

À imprensa, averiguem quantas cadeiras estarão quebradas no estádio! No dia do batizado, só falaram do local reservado à torcida do Cruzeiro. E eu DUVIDO que não tenham quebrado na área do mandante. Mas boa parte da imprensa deixou de ser jornalista, deixou de ter contato com a verdade e, pior, fecham os olhos para problemas do próprio time, passando pano e demonizando o adversário. Vamos acompanhar!


JOÃO VITOR VIANA


terça-feira, 9 de janeiro de 2024

Reforços pontuais até o momento, com a necessidade de mais identidade e respeitabilidade




Cruzeiro anunciou seis reforços. Contudo, ainda carece de atletas tarimbados para promoção de disputas internas em algumas posições. Além disso, precisa se livrar de alguns "pesos"

O Cruzeiro retornou das férias e algumas caras novas já apareceram. Leo Aragão, Rafa Silva, Gabriel Veron, Zé Ivaldo, Lucas Romero e Juan Dinenno já se ambientam na Toca da Raposa II, buscando a melhor forma para iniciar os trabalhos da temporada.

Técnico novo, Nico Larcamon vai ter tempo para montar a equipe, que vai iniciar em "águas mornas", com o baixo nível do Campeonato Mineiro. Momento de testes, lançamento de atletas, aproveitamento dos jogos como amistosos de luxo e entrosamento. De início, deverá haver grande rotatividade dos jogadores, a fim de que peguem ritmo de jogo e se conheçam em campo, com testes de formação e jogadas ensaiadas. 

Por mais que Nico tenha afirmado que não pretende usar elenco totalmente sub-23, como fazem Athletic-PR e outras equipes, dexou claro que vai testar o que tiver em mãos. E ai que está: é preciso mais reforços. Pelo menos mais um zagueiro, um lateral-direito (Palácios e Gasolina são ruins), um volante, um meia e um atacante de lado. Vou além: daria uma segunda chance ao Gilberto durante o Campeonato Mineiro para ver qual é a dele dentro do elenco. Se não der certo, na segunda janela libera para algum lugar.

Já outros jogadores, no meu modo de entender futebol, precisam, para ontem, buscar nva sorte, no futebol ou em outro esporte. Palácios, Gasolina, Papagaio, Wesley e Paulo Vitor que o digam. Há quem defenda o Machado, que ele é vibrante, gosta do Cruzeiro. Mas tecnicamente coloco nesse mesmo bolo aí. Se o Cruzeiro quer algo maior, precisa ter jogadores que representem isso. Se o Cruzeiro quer sinergia com o torcedor, respeito dos adversários e identidade em campo, é preciso atletas, time, conjunto, grupo. Está no caminho, mas precisa acertar chegadas e partidas para que o presente e o futuro sejam bem diferentes do passado recente do Maior de Minas.


JOÃO VITOR VIANA




sexta-feira, 5 de janeiro de 2024

Chegou Nico Larcamón! Treinador promete time protagonista e ofensivo



A "Era Nico Larcamón" começou no Cruzeiro. O treinador, de 39 anos, assumiu o clube e foi apresentado à imprensa e fez as primeiras declarações sobre o time.

A respeito do estilo de jogo, Nico disse que o "Cruzeiro será protagonista e ofensivo", forma que ele sempre adotou por onde passou. Ele elogiou Romero e Juan Dinenno e afirmou que vão agregar bastante ao grupo.

Perguntado sobre se vai ou não usar um time mais jovem durante o Campeonato Mineiro, Larcamón ressaltou que vai "buscar um equilíbrio principalmente para os principais encontros". Quanto ao elenco, Nico destacou que "creio que que a equipe precisa ter uma competitividade interna que faça com que cada jogador busque, no dia a dia, ser titular da equipe". Dessa forma, pretende que o plantel seja equilibrado e com disputas em todas as posição e que participa ativamente das contratações desde que tudo fora acertado.

Quanto ao estudo do grupo, o perfil dos jogadores é de "atletas de potencial, de características que fazem parte do nosso plano para cada posição", disse.

O treinador elogiou a estrutura do clube. "É algo muito grande, organizado, com muitos profissionais e caras novas, tudo muito sério. É algo que vai ao encontro do projeto e que também me motivou muito a trabalhar aqui".

Projeto

O perfil e o projeto apresentado a Larcamon foi decisivo para a chegada do treinador argentino. "Foi algo que me identificou, além de uma grande oportunidade de trabalho".

Base

"Sou um técnico que é formador pela essência. É algo que me identifico. A premissa é dar oportunidade até para que eles se consolidem e façam parte da primeira equipe".

Pressão

"A história e a magnitude do clube falam por si. É normal. Mas é uma linda pressão. É um privilégio. É algo positivo e, depois, tenho muita vontade que vamos lograr êxito. E queremos essa relação forte entre torcida e equipe. Vamos trabalhar muito para fortalecer esse laço e esse respeito em comum. Temos que ter uma atitude vencedora, principalmente nas partidas em casa".

Formação

"Jogar com três zagueiros não é uma regra. A saída pode ser feita por um volante. Vai depender muito daquilo que o jogo vai requerer. Nada impede que mantenhamos a formação do ano passado",

Romero

"Lucas teve um grande ano e pode influenciar muito o grupo desde o início. Creio que será um elemento importante".

Matheus Pereira

"É um grande jogador, um elemento que quero usar muito. Vamos buscar uma estrutura que o potencialize mais, com melhores números".

JOÃO VITOR VIANA

VEJA A ENTREVISTA COMPLETA DE NICO LARCAMÓN AQUI!

quarta-feira, 3 de janeiro de 2024

Ano Novo e poucas novidades. Cruzeiro está no mercado, sem pressa e sem leilão



Feliz Ano novo, Nação! Parabéns ao Cruzeiro por seus 103 anos! Celebrações à parte, o torcedor aguarda, ansioso, por nomes que cheguem para vestir a camisa titular. Até o momento, o clube anunciou quatro reforços (Gabriel Verón, Zé Ivaldo, Rafa Silva e Léo Aragão). Em andamento, Lucas Romero e Juan Dinenno. Contudo, o clube busca mais atletas, principalmente para o meio e ataque. O volante Fernando e Lucas Alario, que eram pretendidos, devem ir para o Internacional.

Outro nome falado, mas que o Cruzeiro não chegou a fazer proposta foi Everton Ribeiro. O clube monitorou a situação e sondou a possibilidade. Contudo, diante de uma proposta financeira fora da realidade do Bahia, a Raposa não se manifestou.

O Cruzeiro busca jogadores para posições pontuais e não vai entrar em leilão. Faz bem ao pensar na sanidade financeira e em não gastar além, como estão fazendo, por exemplo, Corinthians e Bahia e como fazem, ano após ano, Palmeiras e Flamengo. O Corinthians, aliás, está gastando antes sem receber o valor de Moscardo, que foi vendido por um bom preço, mas que o clube só vai receber no meio do ano, uma vez que o atleta vai passar por cirurgia e, assim, ficar três meses afastado dos gramados.

Opinião do jornalista

O Cruzeiro precisa fortalecer o seu meio-campo, tem jogadores que podem ajudar durante o Campeonato Mineiro, principalmente os mais jovens, como Kaiki, Japa e Robert, além dos que estão disputando a Copa São Paulo, principalmente Fernando. Há a ideia de no Campeonato Mineiro esses jovens valores sejam testados durante a competição menos importante até para avaliação e aproveitamento posterior.

Além disso, é imprescindível que o clube traga atletas que sejam decisivos, não necessariamente experientes ou conhecidos. Arrascaeta chegou ao clube com essa caracteírstica e, ainda que tenha demorado cerca de um ano para mostrar seu real futebol, até hoje é um jogador diferenciado. Ou seja, o clube pode cavar, procurar e contratar. Dinenno, pelo histórico, é um exemplo; Rafa Silva, bem fisicamente, também o é. Marlon, William, Lucas Silva e Matheus Pereira também. Mas quem pensa grande, precisa de grupo e, principalmente, se livrar de quem só dá despesa. Listo? São 10. Ponto.

JOÃO VITOR VIANA

segunda-feira, 18 de dezembro de 2023

Mais do mesmo: entrevista de Ronaldo não traz tantas emoções positivas



A entrevista de Ronaldo ao ótimo jornalista Samuel Venâncio movimentou os debates em redes sociais. Em quase uma hora de conversa, o repórter fez diversas perguntas ao dono da SAF do Cruzeiro, colhendo muitas informações, mas que pouco, ao meu ver, trouxeram emoções positivas ao torcedor.

Isso porque Ronaldo, inicialmente, defendeu, com "unhas e dentes" Pedro Martins e Paulo André. Inclusive os elogiou como grandes estudiosos do futebol e daquilo que ele entende como o caminho para o Cruzeiro. Ambos têm sido muito criticados pela torcida, principalmente pela ausência de Paulo e pelas entrevistas sonolentas e de falsas expectativas que Pedro dá. Pedro Martins, aliás, parece aquele coach, que acha que convence com olhares e sorrisos, mas cujos resultados não batem com aquilo que ele tanto prega, se assemelhando ao deboche ou alguém que vive em Nárnia.

Entre aquilo que Ronaldo disse e que se pode tirar como algo bom é sobre a expectativa para 2024. "Teremos mais recursos, os 100% da TV, que será revertido para o reforço da equipe". O maior problema é quando ele fala que o time precisa de contratações pontuais e "já tem uma base". Tem, sim, um goleiro, dois laterais, um volante e um meia. No mais, tem quem?

Diante disso que o torcedor fica pé atrás. O torcedor entende que em 2023 foram dois orçamentos, um de dívida e um de elenco. Para 2024, será a mesma coisa. O que a direção precisa fazer, no entanto, é errar menos. Gilberto foi um tiro no pé, mas que todos os torcedores apoiaram. Não deu certo, o que faz sentido. Mas Wesley, Machado, Vital, Neris, Oliveira, Neto Moura, Palácios, Paulo Vitor, principalmente, tem pouco respaldo do torcedor. Só aí foram contratos longos, deficitários e muito dinheiro elo ralo. Que alguns virem moeda de troca ou saiam pela porta lateral do clube. Difícil demais quando de um grupo de 25, 30, 50% não têm a menor capacidade técnica de estar no clube e, desses, 30% não sabe o que é futebol.

Já disse em alguns programas esportivos que participei que há jogadores de peteca no elenco do Cruzeiro. Uns bem caros, inclusive.

Ronaldo assumiu erros, mas não pontuou nada além de Gilberto. Não falou dos quase R$ 20 milhões desperdiçados com um tal inimigo do gol e de onde inventou que alguns aí jogam futebol. 

Para 2024, é preciso ter uma casa, o torcedor perto, uma reformulação no sócio que o faça voltar a crescer. Atualmente são apenas 47.357. Será que o torcedor vai se animar sem uma comunicação direta? Será que o tal comitê somente basta? Ronaldo precisa entender que comunicação com a torcida é além das redes sociais. É preciso ter quem fale com a imprensa de rádios, jornal, internet, com a torcida. E alguém que seja além de Pedro Martins. Esse não convence ninguém com seus sorrisinhos e feições de alegria.

Ficou, ao final, um adendo: que Pedrinho será o primeiro a ser consultado quando Ronaldo quiser deixar a SAF. O torcedor quer que isso se torne cada vez mais real, agradecido ao Ronaldo por tudo que fez, naquele momento desagradável e terrível que uma gestão temerária, que sequer pagou pelo crime que cometeu, fez.


JOÃO VITOR VIANA

sexta-feira, 15 de dezembro de 2023

Chegou a época de especulação, de tiros no pé, de conversa mole, anúncios e algumas vergonhas



Respeitável público! O período de especulação já começou! Desde o fim do Brasileiro, uma série de situações já permeiam as páginas da imprensa. Algumas, formadas por pseudojornalistas, cravam um monte de coisa que, depois, não se concretizam. Até ex-jogadores se aventuram como jornalistas, assim como quem mexe com internet e nunca estudou.

Bom, nos atendo às notícias do Cruzeiro, o que mais intriga e deixa a torcida com o pé atrás é o posicionamento lenga-lenga de Pedro Martins, que abertamente digo que me cansa. Conversa fiada, pouco objetiva é o que vemos quando ele dá entrevista. Quem não dorme fica com preguiça. A forma alegre que ele trata todos os assuntos, inclusive, enerva o torcedor. Pior de tudo é que Ronaldo não pensa em tirá-lo. Nem Paulo André. Logo... 

Até aqui, saídas estão sendo anunciadas. Depois da despedida de Nikão, sairam Castán, Jussa e, por fim, Bruno Rodrigues. O atacante recebeu uma oferta milionária do exterior e não fica no clube. Sinceramente, pelas cifras mencionadas (a se confirmar), não dava para competir mesmo. É pegar o dinheiro e reinvestir no clube, trazendo jogadores que cheguem para ser titulares. Nada de nível Gasolina, Formiga, Machado e cia. 

Agora, um time que ainda não definiu seu treinador, muito pela mesma conversa mole e processos empresariais falidos de Pedro Martins, já sai atrás dos concorrentes. O que o Cruzeiro quer para 2024? É passar o mesmo perrengue de 2023? Se for, está no caminho certo, que é errado. Se não for, precisa agilizar. Uma limpa envolvendo jogadores que não renderam, como Neris, Oliveira, Neto Moura, Vital, Wesley, Paulo Vitor, Palácios, Machado já tinha que ter sido providenciada. E torcer para que eles deem certo longe do clube, uma vez que vários têm contratos longos com o Cruzeiro, o que é ainda pior.

Diante disso, é necessário um anúncio de um pacotão de jogadores, principalmente para as posições de primeiro volante e atacantes. Uma prorrogação do vinculo de Matheus Pereira deveria ser prioridade. O maior problema é que há um Pedro Martins à frente de tudo...

Quem vem? Nem treinador sabemos. Gago fora, Milito descartado. Roger? Luxa? Barbieri? Carpini? E reforços? Arce? Até agora os bastidores celestes esão tão mansos como as falas cansativas de Pedro Martins. Muito sono e pouca movimentação...

JOÃO VITOR VIANA


domingo, 10 de dezembro de 2023

Fim de Brasileiro, início das especulações. Cada dia, um nome. Quem chega? Quem vai? Aqui a gente comenta...



A temporada 2023 ficou para trás, muitos desafios, muitos ensinamentos. Até porque, pelo excesso de erros e falta de planejamento, o que poderia ser tranquilo, passou a ter momentos de pesadelo. Para 2024, o Cruzeiro vai ter que buscar mais, ser um time saiba o que quer e faça da sua casa, um verdadeiro calabouço.

Belo Horizonte, em 2023, foi uma mãe aos adversários. Incrível como o clube não criou uma ligação com sua torcida, não definiu um local para ser sua casa e viveu, nos bastidores, as mesmas brigas bizarras de administrações anteriores, que mais se assemelharam a brigas infantis. Em 2024 é preciso definir o Mineirão como casa, principalmente porque não há outro clube da Série A que vá jogar lá. Se é para ter um time lá, que seja o Cruzeiro.

Além de definir o campo, o que falei na minha última participação, no programa BH Sports, o clube precisa definir seu treinador. Gago? Milito? Roger? Luxa? Vamos viver aquele lenga-lenga de entrevistas e do "sentir a vontade do treinador em assumir um desafio no Cruzeiro"? Até quando não vai pesar o fato de a empresa ser um clube de futebol com nove milhões de torcedores? Conversa fiada de Pedro Martins já chegou ao limite para a torcida do Cruzeiro. É preciso ir no cara, contratar e mostrar o que o Cruzeiro quer. O cara não acredita na filosofia nem em coisas maiores? Vai a outro. Mas se estiver conversando, fecha!

Esse é o segundo passo para iniciar a montagem do elenco para o próximo ano. Nada que seja para ontem, até porque o Mineiro a gente consegue disputar até com os pernetas remanescentes desse ano. Mas quanto mais deixar para contratar para depois, pior será, já que várias situações favoráveis poderão ser perdidas.  ideal é que o time comece a ser formado o quanto antes. Para isso, é preciso passar pelo crivo do novo comandante.

Quem chega?

Mesmo sem ainda definir o treinador, o que parece que acontecerá na próxima semana, o Cruzeiro tem conversado com alguns atletas e clubes nos bastidores. A instituição não comenta especulação, mas um nome muito falado nos bastidores é o do meia Atuesta, de 26 anos, que atualmente é reserva do Palmeiras. Um bom nome. É preciso ter cautela, pois se machucou quando chegou ao Palmeiras. Se fosse eu um dirigente do Cruzeiro, aproveitaria e tentaria o Flaco Lopes. Bom atacante, também reserva por lá. Para 2024, até o momento, apenas Zé Ivaldo está confirmado.

Quem sai?

Apenas Nikão foi confirmado como atleta que retorna ao São Paulo. Na próxima semana, outros jogadores deverão ter o futuro definido. Paulo Vitor e Palácios deverão ser recolocados em algum clube corajoso; Wesley pode sair também, assim como Papagaio. Vital é um jogador que pode entrar em alguma negociação. Atletas como Machado, Oliveira e Matheus Jussa também poderão ter outro clube em 2024.

Quem fica

O Cruzeiro anunciou a renovação com o lateral William e vai tentar manter Marlon, que desperta interesse de Grêmio e Botafogo. Lucas Silva foi sondado, mas descartou sair. Rafael Cabral é outro que não deixa a equipe. Tem contrato até 2025.

JOÃO VITOR VIANA