segunda-feira, 26 de junho de 2017

SEM LESÃO



Notícia boa direto da Toca da Raposa II: Lucas Romero não teve fratura ou mesmo lesão no joelho. Substituído ainda no primeiro tempo diante o Coritiba, no Mineirão - partida em que a Raposa triunfou por 2 a 0 -, Romero, que é um "xodó" da torcida, poderia ficar um longo tempo no "estaleiro". Diante da pancada e do pouco tempo de recuperação - o jogador ainda sente dores no local -, o argentino deverá ser poupado e sequer viajar para São Paulo para o jogo dessa quarta-feira. Contudo, pode e deve ficar à disposição de Mano Menezes para o jogo do final de semana, quando enfrentaremos nosso rival, no Independência.

Para a vaga de Romero, três alternativas: Henrique, Lucas Silva e Hudson, com maiores possibildiades para o último, que foi o escolhido para substituir o camisa 29 diante do Coxa.

Nos bastidores, hoje pela manhã, surgiu um "burburinho" que o Cruzeiro poderia voltar a jogar com três volantes. Assim, Henrique voltaria à equipe e Alisson seria uma "arma secreta" para o segundo tempo. Mano Menezes tem reiterado diversas vezes que vai por em campo o time que melhor convier ao estilo de jogo do adversário. Resta-nos aguardar.

NOTAS DA TOCA


VÍDEO: FALA AÍ, MANO!


domingo, 25 de junho de 2017

TRÊS PONTOS EM BOM JOGO

O Cruzeiro voltou a vencer no Campeonato Brasileiro. Com força máxima, o time de Mano Menezes chegou a se perder um pouco no primeiro tempo, mas acabou se encontrando, dominando a partida e sendo eficiente. Com um gol em cada tempo, o Maior de Minas subiu na tabela, encostou no próprio Coritiba, chegando aos 14 pontos e distanciando, um pouco, das equipes que estão na zona do desespero.

Com uma defesa que foi se solidificando durante o jogo, o destaque do primeiro tempo celeste foi o goleiro Fábio, com duas importantes defesas. No segundo tempo e analisando de uma maneira geral, o lateral Diogo Barbosa, muito mal diante do Grêmio, dois jogos atrás, foi o principal jogador celeste, obrigando o goleiro Wilson a importantes defesas e chutes de fora da área. Destaque ainda para Alisson, Rafael Sóbis e a dupla de zaga formada por Caicedo e Leo, que erraram pouco e jogaram sem fazer firula.

O primeiro gol celeste saiu de uma boa trama pelo lado esquerdo do ataque em que Diogo Barbosa achou Thiago Neves que, de primeira, fuzilou o goleiro do Coxa. Já o segundo tento foi feito por Rafael Sóbis, após receber lançamento meio sem querer de Leo. O zagueiro, no afã de isolar a bola, acabou dando pelo passe para o atacante que, em posição legal, driblou o goleiro e um zagueiro do Coritiba, antes de chutar, de pé esquerdo, para o fundo do gol.

O Cruzeiro, num todo, esteve bem, jogou para vencer e esperamos que a mesma postura seja a do meio de semana, quando enfrentaremos o Palmeiras, pela Copa do Brasil.

Preocupação

O volante Lucas Romero saiu ainda no primeiro tempo, com uma torção no joelho. Será avaliado amanhã, na Toca da Raposa. Chances pequenas de jogar no meio da semana. Hudson, que o substituiu, pode ser o escolhido para o encontro da Copa do Brasil.

Pós-jogo

O atacante Rafael Sóbis avaliou a partida diante do Coxa: "Acho que independente de tudo, o importante foi a vitória. Fizemos uma diferença no segundo tempo e mostramos hoje um desempenho muito bom". O jogador ainda falou do "desmanche" feito por Mano Menezes no meio da semana. Na avaliação do camisa 7, o resultado deste domingo foi fruto do descanso da maioria dos jogadores. "Nosso desempenho hoje foi amostra do nosso descanso no meio da semana e que aquela foi uma escolha correta do nosso treinador. Muita gente opina sobre o que acontece aqui dentro, mas não vive nosso dia a dia. Nosso treinador optou por descansar a gente naquele jogo, infelizmente perdemos, mas hoje vencemos e vamos pensar no nosso próximo adversário (Palmeiras)", finalizou.

Por: João Vitor Viana

HORA DE APAGAR O FOGO



O Cruzeiro entra em campo, hoje, diante do Coritiba, podendo se afastar das últimas posições. Após a vitória, ontem, do Sport, a equipe de Mano Menezes caiu para 13º, o que aumenta a pressão pela necessidade da vitória. Chegar aos 14 pontos pode fazer o Maior de Minas dar um belo salto na tabela, distanciando de várias equipes.

Para buscar o triunfo, Mano Menezes promete por em campo aquilo que tem de melhor. O capitão Henrique está relacionado e deve voltar à equipe. Outros que voltam ao time após descanso são Ezequiel, Diogo, Ariel, Robinho, Thiago Neves e Rafael Sóbis. Leo, que cumpriu suspensão diante da Ponte, também está de volta, formando dupla de zaga com Caicedo.

Pressionado nas redes sociais, o treinador celeste não pode, sequer, empatar. Considerando a bobagem que fez ao poupar oito jogadores de uma vez e a disponibilidade de Dorival Júnior, é bom que ele pare de fazer gracinha e ponha esse time para cima, com sangue nos olhos na tarde deste domingo. A torcida quer ver o Cruzeiro sendo, de fato, Cruzeiro.

Cruzeiro
Fábio; Ezequiel, Leo, Kunty Caicedo e Diogo Barbosa; Lucas Romero (Henrique) e Ariel Cabral; Robinho, Thiago Neves e Alisson; Rafael Sobis. Técnico: Mano Menezes.

Coritiba
Wilson; Dodô (Leo), Werley, Márcio e William Matheus; Jonas, Matheus Galdezani e Tiago Real; Rildo, Henrique Almeida e Alecsandro (Iago). Técnico: Pachequinho.

Motivo: 10ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro
Local: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data e horário: 25 de junho de 2017 (domingo), às 16h
Árbitro: Marcelo Aparecido de Souza (SP/CBF)
Assistentes: Anderson José de Moraes Coelho (SP/CBF) e Bruno Salgado Rizo (SP/CBF)

Por: João Vitor Viana

sábado, 24 de junho de 2017

CONFIANÇA NOS TITULARES

Uma coisa é certa: se os reservas entrarem em campo, é jogo dado ao adversário. Assim, se o Cruzeiro entrar com os titulares e, além disso, com sangue nos olhos, podemos voltar a crer numa vitória e em sair do incômodo de estar próximo à zona de rebaixamento. Com Robinho, Thiago Neves, Alisson e Rafael Sóbis na linha de frente; Romero e mais um volante na contenção e com os dois laterais titulares, é possível acreditar na equipe, mesmo que a zaga titular ainda esteja no Departamento Médico. Mas somente se os titulares estiverem em campo. 
E isso porque teremos pela frente um time acertado do Coritiba, que sempre deu muito trabalho no Mineirão. Em 2013, vencemos por 1 a 0. E olha que a diferença técnica entre as equipes era enorme. Agora, com o Cruzeiro ainda se reconstruindo e com o Coxa, com menor qualidade técnica, mas acertado em seu conjunto, as forças tendem a se equilibrar de novo. E não podemos nos dar ao luxo de brincar de novo. É entrar com titulares e entrar para vencer!
Mano sabe que a batata dele está assando com a torcida. A decisão de por reservas no meio da semana beirou o absurdo e minou a paciência de alguns, que ainda defendiam a permanência do treinador. Novo tropeço pode fazer o treinador balançar. Se ele quer o apoio do torcedor, tem que fazer esse time jogar. Tem um elenco qualificado, mas tem que optar pelos melhores. Quer poupar? Poupe um ou dois. Poupar oito foi o "fim da picada". E com Dorival Júnior à disposição, a pressão pode ficar insustentável.
Diretoria longe do holofote
Em último ano de mandato, Gilvan de Pinho Tavares não parece muito animado com os últimos seis meses. Pela sua postura, parece querer que o fim do ano chegue logo e que o próximo presidente dê conta do Cruzeiro. Parece desinteressado. Bruno Vicintin, que não será candidato, vai na mesma toada. Eles sabem que com Mano o time tende a não ficar entre os piores. O ruim é que parece que isso já basta, mesmo tendo um elenco que precisa ser qualificado, mas que é bom, quando joga no seu melhor, quando joga motivado. A torcida sabe que fica ou sai do Cruzeiro aquele profissional que ela aprova. Sabe que se as coisas não mudarem, vai pressionar até conseguir fazer aquilo em prol do Cruzeiro. Difícil é saber se a diretoria, no patamar e ânimo que está, vai voltar aos holofotes e comprar a ideia de levar o Cruzeiro bem até o final de 2017.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

POUPOU, PERDEU

Fim do retrospecto positivo diante da Ponte. Derrota por 1 a 0 em Campinas, resultado ruim que afastou a chance do time subir na tabela e aproximar-se dos primeiros colocados. Em contrapartida, não nos afastamos das últimas posições. Ou seja, precisamos vencer, mais que depressa, para sair de uma posição incômoda. Podíamos chegar ao sexto lugar, mas perdemos, em lance bobo, que resultou pênalti e gol do adversário, na sequência.

E olha que o Cruzeiro jogar em Campinas ultimamente estava sendo quase como jogar em casa. Mas hoje isso mudou de figura. Não só acabou a "mamata", como o Cruzeiro não conseguiu imprimir o ritmo que mostrou contra o Grêmio e no segundo tempo contra o Corinthians. Fato foi que perdeu a partida, em gol sofrido de pênalti, e perdeu mais uma no brasileiro, a quarta em nove jogos. Preocupa.

Sobre o lance do pênalti de Lennon, discutível. Não sei se o árbitro daria a favor do Cruzeiro, nem se o adversário fosse a própria Ponte. Certamente, contra Corinthians e Flamengo, não daria. Talvez desse, ainda, simulação.

Pior escolha!
Poupar oito jogadores? O que Mano teve na cabeça para fazer tanta alteração? Desfigurou o time, o que causou um rendimento apático, fraco e mostrou um Cruzeiro completamente diferente. Foi a pior escolha. Às vezes parece que o treinador quer ser questionado, quer "ser frito", ou quer ser demitido. Não sou a favor da demissão do treinador, acho que o trabalho tem que ser feito em longo prazo. Agora, isso que vimos? Não. Isso exige uma explicação e uma reunião com a diretoria. O Cruzeiro não é time para fazer teste nem para dar "sopa para o azar". Quer fazer escolhas erradas? Não será por aqui!

Por: João Vitor Viana