sábado, 14 de setembro de 2019

OREJUELA MAIS 10

O colombiano Orejuela ficou de fora dos últimos jogos do Cruzeiro por causa de amistosos da seleção de seu país. isso desfalcou o clube diante do Internacional, quando o técnico Rogério Ceni, inclusive, improvisou jogador na posição, e contra o Grêmio, naquela derrota vexatória por 4 a 1. Titular absoluto, o jogador reassume a posição. Edilson, barrado, nem viajou. Com apenas seis jogos no Brasileiro, há quem diga que o Cruzeiro pode se desfazer do jogador pelo menos até o final dessa temporada.
Entrevistado, Orejuela fez análise da atual situação do clube e de sua ausência nos últimos compromissos. “Foi muito doloroso ter saído da Copa e na semana passada perder para o Grêmio daquela maneira. Estamos muito doídos, creio que contra o Palmeiras vamos sair para fazer o melhor. E temos que troca a situação de como estamos jogando, porque com essa maneira não vamos conseguir nada se seguirmos jogando assim. Creio que amanhã (sábado) será uma linda partida para retomar o caminho da vitória”, frisou. Sobre como vencer o Palmeiras, Orejuela foi enfático: “Temos que fazer primeiro a nossa parte, fazendo as coisas bem. Creio que cada um fazendo a sua parte vamos conseguir os três pontos, que é o que necessitamos. Sei que o professor (Mano Menezes) nos conhece bem, conhece como jogamos, mas vamos fazer uma partida inteligente”.
Emprestado até o final do ano, o lateral deverá ficar no Cruzeiro de forma definitiva. O clube corre contra o tempo para pagar 1,5 milhão de euros para comprar 50% do jogador, que pertence ao Ajax-HOL.
Por: João Vitor Viana

DEDÉ: DIFÍCIL MANTER PARA 2020



A torcida do Cruzeiro, definitivamente, nem lembra quando foi quando o Cruzeiro venceu fora do casa no Campeonato Brasileiro. Também, já são 21 jogos sem vencer fora de Belo Horizonte. Na verdade, esse tempo parece ainda maior quando analisado quando a vitória ocorreu: há mais de um ano, contra o Ceará, quando Sassá fez o gol da vitória sobre o time da casa, na capital daquele estado. A data? 8 de junho! Isso significa que são 15 meses sem vencer fora de Belo Horizonte. Por essas e outras que o Cruzeiro precisa pontuar e, de preferência, vencer. Pela frente, Mano Menezes, Allianz Parque e Palmeiras. Tudo de uma vez.
O reencontro com o ex-técnico se dá numa conjuntura desigual. No Palmeiras, Mano sofreu uma rejeição maciça em sua chegada. Mas os bons resultados conquistados em sequência e o terceiro lugar recuperado no Brasileiro apaziguaram a desconfiança da torcida, que não o queria nem pintado e também aliviou a barra de Alexandre Mattos, que estava na "corda bamba". Já o Cruzeiro não se manteve muito longe de onde Mano deixou. Conquistou sete pontos em nove, mas caiu de rendimento e foi, por último, facilmente batido no Independência, em uma partida pífia, para não dizer ridícula.
O tabu do Cruzeiro não se dá, contudo, em jejum de vitórias fora de casa. O técnico Rogério Ceni, desde a reinauguração do estádio nunca venceu por lá. Em quatro partidas, foi facilmente batido em todas. 
O Cruzeiro ainda terá a missão de não terminar o primeiro turno com a mais baixa pontuação na "Era dos Pontos Corridos", que foi 19, em 2016. Atualmente, o Cruzeiro tem 18. Uma nova derrota leva ao recorde negativo.
Fora do jogo
Edilson não viajou para São Paulo. O jogador não foi relacionado por Rogério Ceni. Mais cedo, de forma equivocada e no anseio de dar a notícia em primeira mão, um site chegou a publicar que Thiago Neves estava fora do jogo. Na verdade, Edilson saiu no carro do atleta, junto ao seu motorista, o que causou o equívoco. Thiago Neves, bravo, criticou a imprensa, que publicou a reportagem sem apurar. 
Por: João Vitor Viana

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

PALMEIRAS X CRUZEIRO: TABUS EM JOGO

A torcida do Cruzeiro, definitivamente, nem lembra quando foi quando o Cruzeiro venceu fora do casa no Campeonato Brasileiro. Também, já são 21 jogos sem vencer fora de Belo Horizonte. Na verdade, esse tempo parece ainda maior quando analisado quando a vitória ocorreu: há mais de um ano, contra o Ceará, quando Sassá fez o gol da vitória sobre o time da casa, na capital daquele estado. A data? 8 de junho! Isso significa que são 15 meses sem vencer fora de Belo Horizonte. Por essas e outras que o Cruzeiro precisa pontuar e, de preferência, vencer. Pela frente, Mano Menezes, Allianz Parque e Palmeiras. Tudo de uma vez.
O reencontro com o ex-técnico se dá numa conjuntura desigual. No Palmeiras, Mano sofreu uma rejeição maciça em sua chegada. Mas os bons resultados conquistados em sequência e o terceiro lugar recuperado no Brasileiro apaziguaram a desconfiança da torcida, que não o queria nem pintado e também aliviou a barra de Alexandre Mattos, que estava na "corda bamba". Já o Cruzeiro não se manteve muito longe de onde Mano deixou. Conquistou sete pontos em nove, mas caiu de rendimento e foi, por último, facilmente batido no Independência, em uma partida pífia, para não dizer ridícula.
O tabu do Cruzeiro não se dá, contudo, em jejum de vitórias fora de casa. O técnico Rogério Ceni, desde a reinauguração do estádio nunca venceu por lá. Em quatro partidas, foi facilmente batido em todas. 
O Cruzeiro ainda terá a missão de não terminar o primeiro turno com a mais baixa pontuação na "Era dos Pontos Corridos", que foi 19, em 2016. Atualmente, o Cruzeiro tem 18. Uma nova derrota leva ao recorde negativo.
Fora do jogo
Edilson não viajou para São Paulo. O jogador não foi relacionado por Rogério Ceni. Mais cedo, de forma equivocada e no anseio de dar a notícia em primeira mão, um site chegou a publicar que Thiago Neves estava fora do jogo. Na verdade, Edilson saiu no carro do atleta, junto ao seu motorista, o que causou o equívoco. Thiago Neves, bravo, criticou a imprensa, que publicou a reportagem sem apurar. 
Por: João Vitor Viana

EM ANO DE PISCININHA... UM BARCO À DERIVA NO OCEANO



Os primeiros cinco meses do Cruzeiro em 2019 foram ótimos.
Título mineiro, bem na Libertadores, ataque poderoso e... piscininha.
O astral estava ótimo na Toca da Raposa.
Em maio, em meio às denúncias, Polícia Federal envolvida, afastamento de dirigente, tudo mudou.
O caos se instalou na Toca, a pisicininha ficou de lado, o "Rei dos Stories" sumiu.
Antes disso, até o presidente, com o tal "óculos futurista" participava de gravações.
Depois disso, muita gente sumiu, inclusive ele.
E nessa turbulência que o clube se transformou, o comando mudou.
Se antes o Cruzeiro estava na praia, apreciando a "piscinha" e cantando 'piscininha amor", passou a ver que as águas eram bem mais turvas.
Muitas questões continuam sem explicar.
O presidente continua sumido da imprensa.
E o vice-presidente, antes afastado e com processos em trãnsito, conseguiu, agora, converter tudo em multa.
Já apareceu nos treinos, mas sem dar entrevista.
O Cruzeiro, nesse momento, está à deriva.
Torcendo tanto para que os resultados voltem a acontecer, como contra os adversários diretos.
A que ponto chegamos!
Da piscininha para o mar aberto.
E o que não falta nesse cenário são tubarões.
Que o Cruzeiro não seja presa fácil e se transforme, sob o comando de Ceni, em um clube forte.
Ainda que fora das quatro linhas, o clube não tenha quem responda por ele.

Por: Raposo Sensato

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

NOMES AOS BOIS

Além da saída de dirigentes, torcedores que estiveram fazendo protestos na porta da Toca da Raposa II enumeraram atletas que deveriam deixar o clube. Segundo faixas dispostas, "Thiago Neves, Edilson, Egídio, Robinho, Henrique, Pedro Rocha, Ariel Cabral, Jadson, some do Cruzeiro junto com essa diretoria que está levando o time do Cruzeiro para as páginas policiais (sic)". Eles também espalharam garrafas de cachaça no portão da Toca. 
Infelizmente temos que, dia após dia, noticiar protestos em um clube que não tem comando na diretoria. Marcelo Djian é o único que fala e, mesmo assim, pouco. Retraídos, a tríplice formada por Wagner Pires, Itair e Serginho se escondem da imprensa. Wagner Pires apareceu esses dias, em vídeo mal editado e falando coisas sem nexo, inclusive chamando torcedor que é contra o posicionamento de conselheiros apoiarem Itair Machado de bandidos. Isso pegou ainda mais mal para a diretoria, que não tem mais nenhum respaldo da torcida.
Sobre os nomes citados, acredito que deve-se haver parcimônia. Jogadores como Ariel Cabral, Edilson realmente tecnicamente não acrescentam. Jadson não deu certo. Pedro Rocha é jovem, começou bem e teve uma caída. Tem potencial. Egídio e Robinho vivem má fase. Já o capitão Henrique até teve uma fase ruim, mas é um dos poucos que tem se doado dentro de campo. Único volante, tem tido a missão de defender e atacar, dar combate e criar. Então, talvez seja um pouco demais incluí-lo nesse momento. Até também pela história dele aqui. São quase 500 jogos. 
Mas o protesto é válido e só existe porque uma bagunça foi instaurada no Maior de Minas, infelizmente.

terça-feira, 10 de setembro de 2019

WAGNER PIRES... RIR PARA NÃO CHORAR! QUE DEPRIMENTE!



O presidente do Cruzeiro é um fanfarrão!

De falas deprimentes.

Que visivelmente está sentindo uma pressão que até agora não havia sentido.

É um dos grandes culpados pela montagem desse time e pelos problemas extracampo, juntamente com Itair Machado e Sérgio Nonato.

Em pronunciamento lamentável, parecia um pouco alterado.

Saiu em defesa dos 131 conselheiros que foram à justiça pedir o retorno de Itair ao clube.

Retornar para que?

Não é melhor e mais adequado que se investigue e, se não for comprovado, ele volta?

Sinceramente não entendo essa força que os dirigentes fazem para ficar no poder.]

Se a torcida exige a saída deles e eles não têm culpa, seria uma hombridade abrir mão do poder e entregar a quem pode, com capacidade, gerir um clube de tamanha importância.

Os três pilares da diretoria, hoje, não são capazes disso.

E quem duvida disso, senhor Wagner, não é bandido.

Lave a boca para falar de quem detesta essa gestão.

De quem não concorda com conselheiro trabalhando para o clube.

De quem não concorda com atrasos de salários.

De quem não concorda com altos salários de dirigentes e premiações absurdas.

De quem pergunta e não tem respostas sobre o financeiro do clube.

Respeite para ser respeitado, senhor presidente!

O senhor não representa os milhões que querem o bem do clube.

Se for digno, pegue seu boné e vá embora.

Já deu!

Por: Raposo Sensato

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

É PRECISO MUDANÇAS DRÁSTICAS!



Um barco à deriva!

Administração ruim, bate-boca pela imprensa, sem comando algum.

É preciso concentração de poder.

No Cruzeiro não acontece nada.

Dirigentes ficam apenas dando canetadas e falando asneira pela imprensa.

Jogadores desfocados, destoando de vários que querem mostrar serviço.

E daremos nomes aos bois!

Senhor Thiago Neves, senhor Edilson, senhor Dodô, senhor Ariel.

Senho Wagner Pires, senhor Itair Machado, senhor Marcelo Djian, senhor Sérgio Nonato.

O Cruzeiro precisa de mudanças.

Precisa afastar quem quer farra, quem quer escalar o time, quem acha que manda no clube.

E o Cruzeiro não é "Casa da Mãe Joana".

Essa diretoria apequenou o Cruzeiro e usurpa as finanças do clube.

Como podem atrasar salários?

Não honram os compromissos, mas duvido que os próprios salários estão atrasados.

Prêmios milionários para dirigente.

Absurdo!

Ceni é o que menos tem culpa.

E tem que ter carta branca para mudanças drásticas.

Uma pena que isso não inclui diretores.

Aliás, os senhores conselheiros foram à justiça pedir a volta de Itair Machado.

Que absurdo!

130 idiotas!

Que trabalham contra o clube.

Desonram a história do Cruzeiro em troca de dinheiro.

Quem quer o senhor Itair no Cruzeiro não merece ser conselheiro.

Por: Raposo Sensato