sábado, 16 de fevereiro de 2019

200 VEZES MANO



Há quem não goste dele. Há quem o idolatre. Em tempos de vacas magras, salvou o Cruzeiro do rebaixamento no Brasileiro. Em tempos de vacas, digamos, "fit", armou um time importante, forte e levantou três troféus. Muito resumidamente é o que podemos falar de Mano Menezes, que diante do América, completará 200 jogos à frente do Cruzeiro, marca que o coloca em quinto na escala de técnicos que mais treinaram o Maior de Minas na história.

Em entrevista a um site esportivo, Mano, sempre bem-humorado, destacou que tem muito a ganhar na carreira. Apesar de tempos atrás ter deixado no ar que dentro de cinco anos ou um pouco mais vai deixar o futebol para curtir a família e a vida, o treinador espera conquistar muita coisa ainda no esporte. "Tenho muitos títulos para ganhar. Não tenho Campeonato Brasileiro, tive muito perto com o Grêmio, fui terceiro. Já estive no grupo da frente muitas vezes, mas está na hora de ganhar o Campeonato Brasileiro para juntar com essas três Copas do Brasil (duas pelo Cruzeiro e uma pelo Corinthians). Depois tem a Libertadores. Pode até ser junto, não tenho nenhuma preferência pessoal quanto a isso. Acho que todos nós ficaríamos contentes", disse.

Mano ainda falou sobre como pretende montar o Cruzeiro para 2019. Na visão dele, não importa se parte da imprensa ou da torcida o considera retranqueiro, mas que sempre vai primar pelo melhor. "A gente sabe que podemos ter um time mais forte tecnicamente, mais ofensivo. Mas temos que avaliar se é isso que queremos para aquele desafio, se vale a pena correr um risco de talvez não ter a retomada da bola. Certamente um time com Robinho, Rodriguinho e Thiago Neves é uma equipe que talvez seja o nosso melhor. Mas vamos avaliar quando poderão ou não estarem juntos", pontuou.

Bons números

São 97 vitórias pelo Cruzeiro, 58 empates e 44 derrotas à frente do Cruzeiro, com três títulos conquistados.

Propostas

Mano afirma, categoricamente, que não deixará o Cruzeiro antes do final do seu contrato. "Uma vez eu sai no meio do contrato para ir para a China. Não farei isso novamente, pois não acho correto", afirmou. Segundo fontes, o Cruzeiro espera o momento oportuno para discutir a permanência do treinador por mais um período. A atual gestão tem mandato até o final do ano que vem e é bem possível que uma proposta nesse sentido seja feita ao treinador já no início do segundo semestre.

Por: João Vitor Viana

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

CRUZEIRO ABOCANHA MAIS TROFÉUS POR TEMPORADA REGULAR




Em sua décima oitava edição, o Nação 5 Estrelas não ficaria de fora.
O Troféu Telê Santana, que premia os mineiros em destaque do ano anterior contou com nossa presença, o que muito nos lisonjeia.
Não estávamos lá pelos comes e bebes.
Aliás, por sinal, muito bem servido.
Mas para prestigiar um evento que congratula os melhores do ano anterior.
E como teve um ano melhor, o Cruzeiro foi o grande vencedor.
Dos 11 melhores, teve o goleiro, dupla de zaga, lateral-esquerdo, um volante, um meia e um atacante. 
Contou ainda com craque do ano e melhor técnico.
Se o Cruzeiro já é o time que mais "abocanhou" troféus, agora distanciou ainda mais.
Só Fábio deve ter dois cômodos na sua casa ocupados com estatuetas.
Premiação muito bacana, apesar dos pesares.
O ar condicionado não estava muito eficiente, a organização também não.
Muita gente em pé em um lugar bem apertado.
Sem cadeira para todos os convidados e jogadores sendo relocados para um canto para receberem seus prêmios.
Mas, no fim, uma festa que engrandece o esporte e que leva o nome de um grande esportista.
Para o próximo ano, que o Cruzeiro ganhe mais prêmios.
E que a organização do evento seja tão boa quanto a grandeza do profissional que deu o nome a ele.

Seleção do Troféu Telê Santana

Goleiro: Fábio (Cruzeiro)
Lateral-direito: Emerson (Atlético)
Zagueiro: Leo (Cruzeiro)
Zagueiro: Dedé (Cruzeiro)
Lateral-esquerdo: Egídio (Cruzeiro)
Volante: Adilson (Atlético)
Volante: Henrique (Cruzeiro)
Meia: Thiago Neves (Cruzeiro)
Meia: Cazares (Atlético)
Atacante: Arrascaeta (Cruzeiro)
Atacante: Ricardo Oliveira (Atlético)
Técnico: Mano Menezes (Cruzeiro)

Craque do Ano: Arrascaeta (Cruzeiro)

Revelação: Emerson (Atlético)

Artilheiro da temporada: Ricardo Oliveira (Atlético), com 22 gols

Destaque do Interior: Guarani (campeão do Módulo II do Mineiro em 2018)

Fair Play: Ipatinga (Projeto Torcida Limpa)

Homenagem especial: Minas Tênis Clube (medalha de prata no Mundial Feminino de Vôlei)

Por: Raposo Sensato

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

QUESTÃO DE TEMPO


Não se pode abraçar o mundo. E até para que tudo seja feito corretamente, é importante que se faça na ordem correta. Então, pensando assim, com planejamento, a diretoria celeste irá, antes de mais nada, resolver a questão financeira do clube. Aprovado o empréstimo pelo Conselho Deliberativo, os dirigentes irão até os credores, negociação a dívida e irão quitá-las. Após isso acontecer, dar-se-ão conversas com atletas cujos contratos vencem esse ano. Dois deles, aliás, de atletas muito importantes: Fábio e Henrique.
Fábio, aliás, deverá assinar seu último contrato como jogador do Cruzeiro. Aos 38 anos, o jogador, que completa 39 em outubro, apesar de estar em plena forma chegará aos 40 no ano que vem. E por mais longevo que possa ser, uma hora a idade chega e o desempenho já não é mais o mesmo. Até por isso o caso dele é visto como uma prorrogação, tendendo a finalizar no final do ano que vem, em princípio. Já Henrique, de 33 anos, ainda tem muita lenha para queimar. Capitão do time, a tendência é que renove até 2022. A renovação com ambos é questão de tempo. É desejo do Cruzeiro e também dos jogadores. Assim as negociações tendem a ser rápidas.
O volante, aliás, não se mostra muito preocupado com a situação. "O Itair (Machado, vice-presidente de futebol) sempre é esclarecido comigo, acho que a gente sempre está conversando a respeito de renovação. Logo, logo, a gente chega em um acordo. Mas sempre a gente conversa sobre isso, no inicio (do ano) sempre é muita coisa. Eles não puderam parar para falar sobre isso, eu deixei também um tempo para eles. Porque sabemos que a demanda é muito grande. A gente está em casa e sabe que resolve da melhor maneira possível", disse. As conversas iniciaram ainda no ano passado, juntamente com Thiago Neves. O camisa 10 já prolongou seu contrato com o clube. 
Por: João Vitor Viana

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

A TORCIDA É O LIMITE

Se há uma coisa que o Marketing preza é a "via de mão dupla". Ou seja, para o produto ser bem vendido, precisa de um mercado para ele. O futebol parece ter entendido essa metodologia. Ao mesmo tempo que o clube não é uma loja de roupa ou de produtos, que lança algo no mercado e espera que o consumidor compre, o anunciante não está pagando somente para ter o nome estampado ali, como se fosse um sonho de consumo ou uma vontade. A empresa quer ter o seu nome visto e o seu produto comprado. Juntando a vontade da empresa e o conceito de Marketing, Cruzeiro e Banco Renner deverão assinar uma bela parceria até o fim dessa semana. Quem atesta isso é o diretor de Marketing do próprio banco, Thiago Urbaneja. Ou seja, todo aquele mistério sobre o próximo patrocinador máster caiu por terra. Será o Banco Renner e a marca "Digi+" será estampada na camisa. Dinheiro no bolso, patrocínio na camisa e time forte em mente.
"Está apalavrado, estamos formalizando. Devemos assinar o contrato nesta semana. É a nossa conta Digimais. É um banco digital e, portanto, nacional. Começamos no ano passado, com garra para crescer e expandir nacionalmente. A gente não pensa em trabalhar regionalmente, mas sim nacionalmente. Nosso banco hoje tem 200 mil clientes e sempre temos grandes objetivos. Acima de tudo, temos otimismo para 2019. A parceria com o Cruzeiro vem ao encontro de tudo isso”, disse, em entrevista, a um site esportivo.
Thiago ainda afirmou que o Cruzeiro deverá ter a marca "Digi+" na camisa: "Nosso banco é o Digimais. Vamos estampar algo para potencializar nossa marca e também a do Cruzeiro". Segundo o diretor, a conversa já vem de longo período e partiu do Cruzeiro o interesse em fazer uma parceria. "O Cruzeiro nos procurou, conversamos, tivemos boa empatia, boa conversa. Parte da nossa expansão passa por Minas Gerais, enxergamos um potencial, e o Cruzeiro é um grande clube. Queremos o banco forte, não posso dizer que não é o nosso objetivo, mas também acreditamos que faremos o Cruzeiro mais forte com a parceria", disse.
                                                                                         
Meta
O Banco Renner, hoje, possui um ativo de cerca de R$ 1,4 bilhão e um patrimônio estimado em R$ 155 milhões. Com 200 mil clientes, a meta é que isso chegue a cerca de 1,5 milhão. Isso traria um aumento significativo de clientes ao banco, com uma movimentação gigantesca de dinheiro, o que seria benéfico também para o Cruzeiro. "Eu acho que o potencial da parceria não tem limite. O que nós estamos propondo, esse modelo de negócio, vai ser do tamanho que o torcedor quer que seja. Não posso te especificar um tamanho, mas acreditamos e o que queremos é ter um banco forte, mas também proporcionar, através dessa parceria, um Cruzeiro mais forte. Um time capaz de se fortalecer para a torcida. O limite dessa parceria é o limite da torcida", finalizou.
Por: João Vitor Viana

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

APROVADO!

Itair Machado falava entre 80% e 90% de aprovação. No entanto, viu-se algo bem maior. Quase que de forma unânime, os conselheiros votaram a favor do plano de reerguimento financeiro do Cruzeiro, que prevê um empréstimo de R$ 300 milhões, que serão usados para a quitação de dívidas emergenciais e outras, cujos juros beiram a pornografia. Algumas dívidas têm rolado a juros de 28% ao ano, um verdadeiro absurdo, numa agiotagem que em pouco tempo faliriam o Cruzeiro.

Na votação da noite deste segunda-feira, a situação conseguiu a aprovação de 314 dos 316 conselheiros presentes. Bastava maioria simples para que o plano fosse aprovado. Antes contrário ao plano, o ex-presidente Gilvan de Pinho Tavares não se opôs. Possivelmente opinou sobre algo que não sabia. Quando foi mostrado o plano se reerguimento financeiro do Cruzeiro e ele viu que boa parte dessa dívida foi criada em sua gestão, viu que a melhor saída foi essa apresentada. Tanto que votou a favor.

A partir de agora, a diretoria passará a tomar as medidas cabíveis, que será viabilizar a operação financeira junto a um fundo internacional, que emprestará o dinheiro, cerca de R$ 300 milhões, a uma taxa de 8,5% ao ano, com carência de um ano e meio. Até por isso - a dívida cairía no colo da próxima diretoria, o Conselho foi convocado a votar - a fim de cumprir exigências do Regimento Interno.

O que disse o presidente?
“Fizemos a reunião exatamente para que eles nos dessem o voto de confiança que nós pedimos, porque, na verdade, a reorganização da dívida do clube é de responsabilidade do poder executivo, mas nos primamos pela transparência. Nós convocamos todos os conselheiros e explicamos exatamente qual é o conceito que nós temos de administração. A partir de agora vamos fazer tudo com transparência, os conselheiros vão saber de tudo que nós fizermos”, disse Wagner Pires de Sá. “Vamos trocar dívidas que nós temos internamente com taxas de juros altíssimas, que chegam numa média de 2% ao mês, por uma de 0,68% (ao mês). Então, foi uma grande vitória, e graças a Deus nós tivemos a aprovação unânime do Conselho. Na verdade, teve dois votos contra. Bom isso, pois toda unanimidade é burra”, acrescentou.

Análise
Em princípio, o plano parece justo. Afinal, várias foram as dívidas contraídas, vários os juros que foram sendo cobrados em cima de parcelas não pagas ou salários atrasados ou rescisões mal feitas. Um bolo caiu no colo da diretoria atual, que teve que agir. O plano emergencial traz um empréstimo alto para que a diretoria pague somente dívidas. Diferentemente do que algumas pessoas andaram dizendo, o Cruzeiro não está fazendo nova dívida, mas usando um empréstimo para pagar outra, ficando "refém" apenas de uma fonte, pagando juros menores, com carência de um ano e meio. Parece ser um bom plano, de início. Vamos aguardar e analisar passo a passo desse dinheiro que entrará no cofre celeste. A torcida está ansiosa para ver o Cruzeiro novamente saudável financeiramente. Do jeito que estava, o caminho seria o endividamento cada vez maior, mesmo com as premiações. Isso por causa dos juros pornográficos de alguns contratos. A situação está tão ruim que até o ex-presidente, Gilvan de Pinho Tavares, votou a favor. Mesmo que falando um monte de abobrinha na imprensa dias antes. Talvez por não saber o teor do plano de reestruturação financeira do clube em sua plenitude e por boa parte dessa dívida ter sido maximizada nos últimos seis anos através de calotes em negociatas.

Por: João Vitor Viana

sábado, 9 de fevereiro de 2019

CRUZEIRO GARANTE ESTRUTURA NA BASE E SEGURANÇA AOS ATLETAS

Após a tragédia ocorrida no Ninho do Urubu, onde 10 meninos entre 14 e 16 anos faleceram por causa de um incêndio causado por falha em um ar condicionado, uma indagação foi feita: e os demais clubes? Será que eles têm estrutura suficiente para abrigar jovens que sonham em se tornar jogadores profissionais.

As respostas vêm de todas as partes. Pela parte do Cruzeiro, um conforto. Em uma publicação do jornalista Paulo Galvão, do Estado de Minas, o diretor-executivo das divisões de base do Cruzeiro afirmou estar tranquilo com aquilo que o clube oferece aos seus jovens atletas: “Não temos mais chuveiro elétrico no vestiário do Sub-20, por exemplo. Também eliminamos cortinas dos quartos, colocando insulfilm. Tudo para minimizar o risco de incêndio. Nossos laudos estão em dia e nos preocupamos com as podas das árvores, que oferecem risco em época de chuvas e ventos fortes como agora”. O Cruzeiro é, talvez, o único clube brasileiro que possui um CT exclusivo para a sua base. A Toca da Raposa I, é de se lembrar, já serviu de sede para a Seleção Brasileira na década de 80, o que mostra a estrutura presente já há algum tempo.

A Toca da Raposa I, aliás, tem capacidade para 90 garotos. Nos últimos anos foi construída uma estrutura ainda melhor, dentre as quais se destacam um hotel para 70 atletas e um alojamento, em alvenaria, para estudantes intercambistas, sejam de escolas ou clubes de outros países. Há profissionais que periodicamente fazem avaliações e manutenção da estrutura. “Temos preocupação constante com o bem-estar de todos. Afinal, antes de serem aspirantes a grandes jogadores, são garotos cujos pais, os familiares, nos confiaram a vida. Temos de ter responsabilidade, não só pelo que ocorreu no Flamengo”, destaca Lemos.

Opinião

O clube tem uma preocupação grande com sua base. Lógico que sempre há o que melhorar. No entanto, vê-se a intenção com o bem-estar dos atletas. Quem visita a Toca I e pode ter acesso à estrutura v~e como um clube é bem gerido. É essa a visão que tive quando lá estive pela última vez. Que o Cruzeiro continue se preocupando com seus atletas e que toda a preocupação com o atleta continue sendo feito, seja através de assessoria, seja através de treinamentos, seja através de conforto. Tudo isso com toda a segurança e alvará concedido pelo Poder Público.


Por: João Vitor Viana

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

BASTIDORES QUENTES NA TOCA



Os bastidores do Cruzeiro andam bem quentes.
A atual diretoria, buscando mudar a fama que o Cruzeiro ganhou nos últimos tempos, a de mal pagador, tenta equacionar as dívidas.
Por outro lado, o ex-apoiador e agora, adversário, Dr. Gilvan de Pinho Tavares, alfineta.
O ex-presidente, aliás, têm ido à mídia sempre para questionar as alternativas que a nova gestão vem fazendo para sanear o clube.
Atitude, aliás, muito diferente de quando ele presidia o clube.
O torcedor bem lembra que nos momentos ruins, ele e Bruno Vicintin simplesmente sumiam.
Aparecia, no máximo, um diretor de futebol para dar alguma satisfação.
No entanto, agora de fora, o ex-presidente tenta criar problemas para a atual gestão.
E continua sem esclarecer os diversos contratos e dívidas advindas de seu mandato, como o "Caso Latorre", por exemplo.
Para jogar as coisas no ventilador e dar palpite, Dr. Gilvan fala em alto e bom tom.
Nem sempre entendível, haja vista a dicção um tanto quanto deficiente.
No entanto, no nosso modo de entender, não é hora de ficar jogando as coisas no ventilador.
O Cruzeiro tem que buscar, sim, soluções para equacionar dívidas e sair do sufoco.
Aliás, muito desse sufoco foi criado justamente por falhas na administração do próprio Dr. Gilvan.
Tudo bem que ele pegou uma herança maldita de gestão Perrella.
Mas daí a triplicar a dívida e não esclarecer uma série de situações, é muito complicado.
Para se administrar um clube não é preciso ser somente torcedor ou um profissional de sucesso.
Dr. Gilvan, sabemos, ficou muito bem de vida sendo um advogado reconhecidamente competente.
Mas quanto à sua administração - e aqui coloco o Bruno Vicintin e toda a cúpula da época junto - o teto é de vidro.
A torcida clama para que as alternativas criadas resultem numa saúde melhor.
E, principalmente, que campanhas de Marketing sejam feitas de forma incessante junto ao torcedor.
Parcerias com a própria torcida acaba sendo uma jogada bacana em todos os momentos.
Será assim com o novo patrocinador master, o que não impede que outras ações, envolvendo inclusive páginas e perfis em redes sociais sejam feitas.
O Cruzeiro precisará sempre de sua torcida, seu maior patrimônio.
E aqueles que julgam ter alternativas melhores, que acreditam que as ideias da nova gestão são ruins, que apresentem as suas.
Com todo o respeito, nos seis anos que Dr. Gilvan ficou à frente do time, embora tenhamos vencido quatro campeonatos importantes, teve falhas.
Algumas graves.
E Gilvan não pode fazer dos títulos um escudo para esconder essas falhas.
E no meu modo de ver, como cruzeirense que é, deveria apresentar alternativas melhores.
Ficar só falando mal em nada ajuda.
Como não ajudou deixar uma dívida tão complicada para a atual gestão.
Gilvan atirou a pedra...
...mas o teto dele é completamente feito de vidro.

Por: Raposo Sensato