terça-feira, 23 de maio de 2017

DESTINO SALVADOR?


O atacante Neílton interessa a alguns clubes, um deles, o Vitória. Encostado no São Paulo e "bode expiatório" da torcida, da comissão técnica e da direção do clube, o jogador, revelado pelo Santos, pode ter um novo destino em breve: Salvador.

Isso porque o clube baiano fez uma proposta para adquirir parte dos direitos de Neílton ao Cruzeiro, clube com quem tem contrato até o final de 2018. Contratado pelo Maior de Minas, Neílton não se firmou, sendo emprestado nos três anos posteriores. Nos clube por onde passou, apenas no Botafogo o jogador foi destaque. Contudo, sem dinheiro, o clube carioca acabou tendo que desistir de Neílton. Atualmente surge como outra alternativa para o atacante voltar à velha forma. No entanto, como a proposta do Vitória é para adquirir o atleta em definitivo, a possibilidade do jogador ir para Salvador é maior.

O Vitória poderia requerer o atleta por empréstimo não fosse uma regra: pelas leis que regem o futebol no Brasil, um clube de uma mesma divisão não pode ter mais de três jogadores emprestado em seu elenco. O Vitória já tem três jogadores do Cruzeiro em seu elenco por empréstimo.

Mimimi nas redes sociais
E pensar que parte da torcida do Cruzeiro foi contra a troca de Neílton por Hudson. Enquanto um treina em separado porque o Cruzeiro não aceitou a devolução do jogador, Hudson é titular absoluto de Mano Menezes. O volante, aliás, surge como potencial lateral depois da boa apresentação em Recife, contra o Sport. Ariel Cabral agradou e pode iniciar a partida contra o Santos, domingo, às 16h, na Vila Belmiro. Romero, assim, deve voltar ao banco. E o agente dele vai ficar ainda mais nervoso...

segunda-feira, 22 de maio de 2017

CRUZEIRO VOLTA DO RECIFE COM UM PONTO NA BAGAGEM

POR: JOÃO VITOR VIANA

O discurso anterior ao jogo era que o Cruzeiro não poderia perder. Nas entrelinhas do que disse o técnico Mano Menezes, o Cruzeiro teria que ser eficiente para, se possível, buscar os três pontos. Digamos que ao ouvir isso, os próprios jogadores tivessem assimilado que a vitória seria um detalhe. E, pelo que se viu em boa parte do primeiro tempo, foi mais ou menos isso. Embora o Cruzeiro tenha saído na frente, com Alisson, era o Sport o dominante da partida, exigindo de Fábio boas intervenções. Até o primeiro gol do jogo, o goleiro celeste era a principal figura em campo, com duas boas defesas, uma delas em chute dentro da pequena área.

Quisera o destino, no entanto, que o mesmo destaque, por um momento, tivesse virado vilão. Isso porque o goleiro derrubou um atacante do Sport na área. Pênalti que Diego Souza bateu bem e empatou o jogo. Nas redes sociais, os tradicionais extremistas já crucificavam o arqueiro do Cruzeiro. Torcedor modinha e chato demais. Vendo o lance de vários ângulos até agora tenho dúvidas se foi ou não. Mas o torcedor chato não vê assim. Talvez nem veja o jogo, gostando de aparecer por falar muita asneira e ficar "famosinho no Face". Menos!

Bom, o gol não abalou o time, que cresceu no segundo tempo. Ao contrário da primeira etapa, o Cruzeiro passou a ditar o ritmo da partida, exigindo boas defesas do veterano Magrão. Hudson deu belo chute cruzado, quase mudando o placar. Alisson também finalizou com qualidade, exigindo do arqueiro do Sport outra intervenção. No fim, empate por 1 a 1. Resultado que não é ruim mas que, pelas circunstâncias, principalmente pelo volume de jogo do Cruzeiro no segundo tempo, merecia uma sorte melhor. Um ponto na bagagem e, agora, pensar na próxima rodada: Santos fora.

Estreante
Rafael Marques estreou na partida, tendo uam atuação ainda discreta.

Próximo jogo tem encontro marcado!
A diretoria do Cruzeiro vai se reunir, aproveitando o jogo diante do Santos, dia 28, para reunir-se com a diretoria do São Paulo. Em pauta a contratação em definitivo do volante Hudson.

MELHORES MOMENTOS: SPORT X CRUZEIRO




sábado, 20 de maio de 2017

INTELIGÊNCIA E EFICIÊNCIA: O SEGREDO PARA O SUCESSO NO DOMINGO

POR: JOÃO VITOR VIANA

Uma parada torta pela frente. Domingo, às 19h, o Maior de Minas terá, em Recife, a missão de enfrentar o Sport, time que faz sempre boa campanha em casa, principalmente pelo fato do gramado ser bem ruim e a torcida pressionar. Além do mais, a equipe é qualificada, finalista da Copa do Nordeste e tem Diego Souza, que vem sendo o fator diferencial da equipe já há algum tempo. Assim, teremos que ser bem inteligentes para pontuar no campo do adversário.

É o caso de jogar defensivamente? Mais ou menos. Isso porque o estilo de jogo do Cruzeiro, em casa ou fora, é de jogar no contra-ataque. Mano Menezes orienta seus comandados a criar dentro do erro do adversário e, assim, fazer a diferença. Mano não é adepto do jogo "circense". Até porque, segundo sua visão, firula demais não ganha jogo e, por isso, a eficiência deve determinar o placar.

E esse eficiência passa, primeiro, por um bom desempenho defensivo. Uma linha de quatro jogadores na defesa sendo protegida por dois volantes, dois pontas apertos, um meia que mais se assemelha a um segundo atacante e um centroavante. Essa é a formação de Mano, talvez inspirada na histórica formação do Chelsea, que tinha, entre outros, Damien Duff, Lampard e Drogba. Mas, obviamente, com peças bem mais modestas.

E nessa formação celeste - que terá novamente Romero na lateral, Dedé na zaga e Ábila no ataque - que Mano aposta para voltar, ao menos, com um ponto do Recife. O empate não é visto como um sinal ruim. Mas o Cruzeiro não pode jogar por esse placar. Sabemos que quem joga para empatar, perde. E não seria inteligente jogar somente atrás, levando pressão. Afinal, água mole em pedra dura, tanto bate até que fura. Vamos ser inteligentes e eficientes, Cruzeiro!

VÍDEO: ENTREVISTA DE MANO MENEZES


VÍDEO: ENTREVISTA COLETIVA DE ARRASCAETA


sexta-feira, 19 de maio de 2017

SEM DÚVIDAS!


POR: JOÃO VITOR VIANA

Hudson ou Cabral? Hudson! Essa é a dúvida que Mano tem para escalar o Cruzeiro diante do Sport, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. O treinador avalia o aproveitamento do retorno do argentino ao meio. Contudo, essa situação parece meio paradoxal.

Primeiro, porque Hudson marca melhor, apesar do passe de Ariel ser melhor e o argentino saber cadenciar mais o jogo. Mas jogar na Ilha do Retiro é sempre um problema. O Sport faz de sua casa o local de pontuação. Tendo um meio mais vulnerável, certamente é uma chave importante que se dá ao mandante.

No meu modo de ver, não deveria haver essa dúvida. Talvez até Mano poderia pensar no retorno de Cabral, mas como um terceiro volante, sem mexer na base defensiva do time, sendo aquele jogador para "rodar a bola", como dizia o treinador Adilson Batista. Se tiver que escolher, Hudson tem a minha e, acredito, a preferência de Mano. Mas, quem sabe, não vem uma reviravolta nessa escolha e Ariel retorne, por exemplo, no lugar de um armador? Tudo é possível. Mas, como disse, entre um e outro, no mano a mano, não há porque ter dúvidas. Não nesse momento!

quinta-feira, 18 de maio de 2017

MERCADO MOVIMENTADO: SASSÁ LONGE A VALDÍVIA DEVE DEIXAR O INTER


POR: JOÃO VITOR VIANA

O Botafogo rejeitou uma troca de Sassá por Neílton. Quem disse isso foi o presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira, a um portal mineiro. Assim, o atacante de 23 anos, conhecido mais fora de campo por suas "bagunças" que por títulos, fica mais longe do Cruzeiro. Já o meia-atacante Valdívia está de saída do Internacional. O que ainda não se sabe é o destino do jogador, que interessa ao Cruzeiro e a alguns outros clubes menores da Série A do Brasileiro.

Sassá tem contrato com o Botafogo até o fim desse ano e, a partir do meio do ano já pode assinar um pré-contrato com qualquer equipe. Como o atacante é pouco aproveitado no clube carioca, alguns clubes tentam tirá-lo de lá antes de dezembro. Para isso, oferecem um valor ou um atleta na troca. Segundo informou esse o presidente do clube carioca, o Cruzeiro, no início do ano, ofereceu um valor por Sassá, o que foi considerado baixo. Ainda segundo Pereira, não houve qualquer oferta posterior, mas já descartou uma troca por Neílton.

Já Valdívia, segundo o vice-presidente de futebol do Inter, Roberto Melo, deve deixar o Colorado por empréstimo. Isso, porque na visão do clube, "respirar novos ares" faria bem ao jogador, que depois que se lesionou em 2015, não voltou ao futebol que o fez destaque no cenário nacional quatro anos atrás.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

HENRIQUE: UM JOGADOR DE RESPEITO

POR: JOÃO VITOR VIANA

Parte da torcida pode chiar. Afinal, não sei o porquê, mas muito torcedor acredita que o melhor é sempre aquele que está por vir, aquele especulado, aquele que está encostado há décadas em outro time ou mesmo aquele que está no banco e treinando mal. Parece a teoria do "Jardim do Vizinho", o que faz das redes sociais uma grande chatice em alguns momentos.

Um dos questionados sempre é o volante Henrique, que dia 16 (ontem) completou 32 anos. Na minha opinião, uma injustiça. Falo isso por causa de sua representatividade, sua competência e sua liderança em campo. Tanto é um líder que mesmo com a volta de Fábio ao gol celeste, manteve a faixa de capitão. É um jogador respeitado dentro do clube. Aliás, é o segundo atleta do atual elenco que mais atuou pelo Cruzeiro, com 372 jogos. Ele perde justamente para Fábio, o jogador que mais vestiu a camisa do clube na história, com 707 jogos.

Entre as ofensas da internet, dizem que Henrique é lento, não marca e erra passes. Mais uma vez, injusto. Não é questão de ser "advogado do Diabo", mas críticas assim são infundadas. Aliás, sem Henrique em campo, o Cruzeiro se mostrou perdido na maioria das vezes. E, ao lado de Hudson, forma uma boa base defensiva. Diferentemente do atual esquema tático, acredito que, inclusive, poderíamos atuar com três volantes, com Henrique mais à frente, principalmente pelo fato de ele ter um ótimo chute de longa distância. Aliás, não sei porque nenhum treinador, até hoje, não o testou como cobrador de falta. 

Por isso, torcedor, vamos com calma. Nosso capitão é uma referência e deve ter o apoio do torcedor. Não faz raiva na torcida. Muito pelo contrário, quase foi herói de um título, quando fez o primeiro gol celeste diante do Estudiantes, no segundo jogo da final, em 2009. Uma pena que tínhamos Thiago Heleno e Gerson Magrão no time...

terça-feira, 16 de maio de 2017

CRUZEIRO QUER MANTER HUDSON EM DEFINITIVO


POR: JOÃO VITOR VIANA

O Cruzeiro já ligou para o São Paulo e fará uma oferta, em breve, para comprar os direitos do volante de 28 anos. O jogador, mineiro de Juiz de Fora e cruzeirense, agradou à diretoria que, agora, tentará convencer o São Paulo a liberar o atleta em definitivo. Quando da chegada ao Cruzeiro, Hudson teve seus direitos fixados. Caberá ao Cruzeiro efetuar o pagamento conforme contrato. Os valores não foram relevados, mas especula-se algo em torno de R$ 5 milhões. 

No início do ano, boa parte da torcida achou que o Cruzeiro tinha feito um mal negócio ao trocar Neílton por Hudson. Xingaram o presidente e toda a diretoria do Cruzeiro, afirmando que o clube já estava com jogadores demais para o setor. Mas Hudson, mineiramente, ganhou sua oportunidade, agarrou a chance e, agora, é titular incontestável. Aqueles que criticaram sua chegada, agora, silenciaram.

Aliás, a troca não foi boa. Foi excelente! Tanto que Neílton ficará treinando à parte no São Paulo, que quis devolvê-lo ao Cruzeiro, mas ouviu um bom "não". Não interessa ao clube mineiro inchar a folha de pagamento, já alta. Então, se o São Paulo não quer mais o jogador, que ache um destino para ele.

Reunião
A diretoria do Cruzeiro vai aproveitar o jogo diante do Santos, daqui duas semanas, para conversar sobre Hudson coma  diretoria são-paulina. Dirigentes do clube paulista confirmaram que haverá uma reunião entre as diretorias.

VIDEO: BASTIDORES DA VITÓRIA CELESTE SOBRE O SÃO PAULO


segunda-feira, 15 de maio de 2017

ENTREVISTA COLETIVA:MANO MENEZES


VITÓRIA PARA RESPIRAR E ALIVIAR PRESSÃO


POR: JOÃO VITOR VIANA

O Cruzeiro bateu o São Paulo por 1 a 0, resultado magro, mas de um time que soube ser eficiente. Não foi um primor de partida, mas a vitória veio. Não importa se a vantagem é mínima, o que importa é vencer. E o Cruzeiro venceu.

Sem três jogadores importantes no esquema tático - Robinho, Thiago Neves e Sóbis -, Mano Menezes escalou outros atletas, que acabaram correspondendo. Ábila, mais uma vez, foi decisivo, fazendo o gol de vitória. De ressaltar o lance do gol: Henrique bateu lateral de forma rápida, encontrando Alisson, que serviu muito bem o atacante argentino que, de pé esquerdo, deixou sua marca. Pode-se dizer que o Cruzeiro estreou com o pé direito, mas com gol de pé esquerdo.

A vitória veio em boa hora, alivia a pressão depois de duas derrotas - perda do título mineiro e eliminação de forma vergonhosa na Sul-Americana - e faz o time respirar. Não está tudo ótimo, não está tudo às mil maravilhas. Mas foi importante vencer na estreia até para evitar uma crise no time. Agora é pensar o Sport. Uma semana para trabalhar e acertar ponteiros. 

ANÁLISE DA VITÓRIA CELESTE - ESPN


CRUZEIRO X SÃO PAULO: PÓS-JOGO


sábado, 13 de maio de 2017

RESOLVERAM UM PROBLEMA E NÃO ANUNCIAM UMA SOLUÇÃO

POR: JOÃO VITOR VIANA

O Cruzeiro confirmou a troca de Mayke por Rafael Marques com o Palmeiras. Enquanto o lateral vai por empréstimo, até o fim de 2018, o atacante chega em definitivo para a Toca. Mayke, de 23 anos, foi a moeda de troca escolhida e aceita pelo Palmeiras que, anteriormente, tinha solicitado Romero. Contudo, o Cruzeiro, para se livrar de um problema momentâneo - uma vez que Mayke não tem rendido - mandou o jovem ao clube paulista. Talvez, respirando novos ares, possa se destacar. A contrapartida foi Rafael Marques, que daqui duas semanas completa 34 anos. Uma solução? Não.

Certamente o Cruzeiro se livrou de um problema. Além de Mayke, outros atletas como Leo, Alisson e Fabrício também têm levado o clube para o buraco. Contudo, esses ainda continuam no time até segunda ordem e, vai lá se saber, ainda contam com o respaldo do treinador. Já Mayke, minou a paciência de Mano e da diretoria. Nos bastidores, a conversa - e torcida - é para que ele jogue bem no Palmeiras, para que, durante o empréstimo, ele seja vendido para o exterior. Alguns diretores, embora não falem, obviamente, para a imprensa, não acreditam mais na continuidade dele no Cruzeiro em um futuro próximo. 

Sem poder contar com Rafael Sóbis, o Cruzeiro teve que acelerar as negociações, que iniciaram na semana passada. O interesse da Raposa em Marques era antigo, mas somente agora o Palmeiras topou ceder o jogador, com aval de Cuca, que não iria aproveitá-lo. Não o vejo como solução, mas espero queimar a língua. 

Espero que a diretoria, agora, veja que nossa zaga tem apenas duas opções: Dedé e Manoel. Necessitamos, pois, de mais um jogador, com urgência. E temos Caicedo e Leo para dar em troca.

REPOSIÇÃO

Mayke indo, Mano testará duas opções para a ausência de Ezequiel, que encontra-se com uma inflamação crônica no quadril: Romero, como primeira opção, e Lennon, que recém chegou ao clube. Diante do São Paulo, inclusive, Romero tende a ser titular. Mano testou o jogador no ano passado na função e gostou do resultado. Para 2017, apostou em "especialistas". Contudo, pelo visto, é melhor improvisar.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

CONVERSA MAROTA? ESPERO QUE NÃO!


POR: JOÃO VITOR VIANA

A diretoria, através dos microfones dos meios de comunicação, anunciaram para hoje uma reunião com o grupo e com a comissão técnica. Ontem todos estiveram de folga, voltando às atividades hoje. Quem comunicou essa conversa foi o diretor de futebol, Klauss Câmara, único membro da diretoria que, após dois reveses, deu as caras. Já o presidente e o vice, parecem sumir quando o cinto aperta.

A conversa entre diretores e grupo, o que inclui o treinador Mano Menezes, está marcada para o período da tarde. Que seja uma reunião de cobrança, nada de conversa marota. Que os diretores exprimam toda sua indignação pelo futebol ruim mostrado. E seria benéfico que o presidente comunicasse ao seu treinador que alguns atletas, por renderem nada, fossem afastados. Elenco Mayke, Leo, Alisson e Fabrício, que em nada acrescentam ao time. Hora de colocá-los em algum negócio ou treinando à parte. Tecnicamente não agregam. E mais: se outros atletas, mais tarimbados, não começarem a mostrar futebol, que sigam o mesmo caminho. Mas, antes, vamos ver o teor da conversa. Que não tenha sido o tipo de declaração para mostrar que a diretoria está fazendo algo. Aliás, é engraçada a postura do presidente e do vice: parecem tomar chá de sumiço quando tudo parece estar próximo ao caos. E isso não é postura de líderes de uma equipe de ponta, como é o Cruzeiro.

Vamos ver o que teremos nessa reunião de hoje. Que não seja conversa marota e que resultados comecem a acontecer. O primeiro desafio será domingo, no Mineirão, em estreia no Campeonato Brasileiro. Joguinho morno novamente? Joguinho frio? Queremos um Cruzeiro vibrante!

quinta-feira, 11 de maio de 2017

QUE TAL SER HUMILDE, MANO?

POR: JOÃO VITOR VIANA

O Cruzeiro está fora da Sul-Americana. Jogando de forma grotesca e covarde, o time pareceu entrar em campo querendo perder. Treinou pênaltis um dia antes de forma incessante, já prevendo mais uma derrota, a terceira no ano. E de nada adiantou. Conseguiu ser mais incompetente que o Nacional, que perdeu duas cobranças. Resultado vergonhoso, se compararmos as duas equipes em suas grandezas. Sem desmerecer o Nacional, é um time pequeno, que está mal no campeonato daquele país, que já não tem tanta tradição no futebol. Já o Cruzeiro, um gigante sul-americano, que se apequena a cada jogo.

Uma pergunta: se o time não está rendendo, por que não muda o esquema do time? No ano passado, o time rendeu jogando com três volantes e partindo no contra-ataque. Ficou 14 jogos invicto e saiu da degola até com certa facilidade. Mano, que salvou o time em 2015 e 2016 parece não entender que o atual elenco não pode ser escalado de outra maneira que não o 4-3-2-1. Difícil por Arrascaeta, Thiago Neves, Rafinha ou qualquer jogador no banco porque têm nome? Bom, aí desmerece um esquema que deu resultado em prol de currículo. Voltar a jogar com três volantes, nesse momento, é a melhor opção.

Diferentemente do que boa parte da torcida já pede - a saída de Mano -, discordo. Acho que, até por agradecimento, ele merece um voto de confiança. Mas cabe à diretoria tomar atitudes, como afastar alguns atletas que estão, de fato "entregando" os jogos. As falhas individuais foram evidentes diante do Nacional, principalmente nos gols dos anfitriões. Mayke e Caicedo entregaram a paçoca com toda a força. Nas penalidades, Alisson e Fabrício se mostraram fracos. E mais: se o boato que teve jogador se acovardando e não querendo bater pênalti for confirmado, que demitam esse jogador! Quem não encara decisão não é homem para vestir a camisa do Cruzeiro! Cruzeiro é time de chegada, de troféu, de história. Quem quer apenas "mamar na teta do time" pode pegar o boné e ir embora.

É inegável que o Cruzeiro precisa de mudança. Precisa mudar seu esquema para o futebol fluir e precisa afastar jogadores que estão prejudicando o time. Ainda manteria o Mano, mas fazendo essas ressalvas e ressaltando que ele, apesar de ter salvo o time no passado, não é intocável. Salientar dizer ainda que ele precisa de resultados e que vexames sobrepõe até títulos. O primeiro passo é reconhecer os erros. O segundo, por esse time para jogar. Ou põe, ou tchau! Hora de ser humilde!

quarta-feira, 10 de maio de 2017

QUAL A DESCULPA?

POR: MARCÃO ANTI-FRANGA

Irritado é pouco! Não bastou um jogo fraco, erros crassos. Teve que ser incompetente ao extremo nas cobranças de pênaltis. Aliás, parece que o Cruzeiro quis jogar para os pênaltis. Conseguiu, perdendo para um time de quinta categoria! E ainda conseguiu ser pior nos pênaltis. Três erros em cinco! Alisson, Fabrício e Arrascaeta bateram pior que pelada. Horrível e vergonhoso!

Qual vai ser a desculpa? A perda do título mineiro? A falta de tempo para treinar? Gramado? Não tem desculpa! O fato é um só: eliminado da Sul-Americana e mais uma chance desperdiçada de chegar à Libertadores de 2017. Se o Cruzeiro pensa em estar na competição no ano que vem, tem que melhorar muito. Bizarro, bizarro, bizarro! E a diretoria? Deve estar na Confraria Celeste, onde adora degustar belos e caros vinhos italianos! Hora da presença dos mandatários, de voz forte no vestiário para evitar desgraça maior num futuro bem próximo. Lastimável atuação e eliminação ridícula!

Time jogou para perder. Nem foi para levar para os pênaltis. Podia ter perdido por mais, diante de tantos erros. Mas o Nacional-PAR é um time horroroso e não teve categoria. Venceu nos pênaltis por ser menos incompetente, pois também perdeu. E por duas vezes!

Como cruzeirense, me sinto envergonhado com tamanha displicência, incompetência e futebol abaixo da crítica. E um grande abraço ao senhor Mayke, ao senhor Caicedo, ao senhor Leo e ao senhor Mano Menezes, os responsáveis por essa eliminação! Os jogadores por serem horríveis e o treinador por ter posto Fabrício em campo. Isso não é, sequer, jogador, como não é o senhor Alisson. Que esses dois últimos saiam do Cruzeiro o quanto antes e, dos três primeiros citados, apenas Caicedo fique, para compor o grupo. Os outros dois, nem em time de Série D do futebol angolano estão capacitados! 

VÍDEO: ENTREVISTA COLETIVA - DIOGO


VÍDEO: ENTREVISTA COLETIVA - LEO


NADA DE MARCELO. CRUZEIRO TEM QUE SER MANO E MAIS ONZE!


POR: JOÃO VITOR VIANA

Eu respeito muito a pessoa do técnico Marcelo Oliveira. Contudo, o Cruzeiro foi o que de melhor aconteceu na sua carreira de treinador, dedicada basicamente a treinar futebol de base do rival e, quando se aventurou no profissional, conquistou alguns títulos, mas nenhum em que deixou sua marca como treinador. 

Não, nem no Cruzeiro! Como treinador, quero que ele passe longe da Toca! Torcedor, vou aqui explicar o que aconteceu no bicampeonato. Muitos podem discordar. Mas estamos em um país democrático e aceitamos opiniões. Mas Marcelo Oliveira, no Cruzeiro, não passou de um "entregador de coletes". Não treinava o time, não tinha estratégia. A única (e ótima influência que teve) foi indicar Everton Ribeiro ao clube. Apesar de o Cruzeiro já monitorar o meia, foi com o aval de Marcelo que Everton veio. No mais, quem montou o time foi Alexandre Mattos, que entregou um time pronto nas mãos de Marcelo, que basicamente funcionava como professor de educação física em colégio no Ensino Médio. Deixava o pessoal treinar, correr. Quem liderava o Cruzeiro à época eram Tinga, Ceará, Julio Baptista, Dagoberto, Fábio e Dedé. Quando Marcelo começou a bater de frente com alguns destes jogadores, perdeu o comando. De respeitado por ser um "sujeito boa praça" passou a indesejado no clube. O entregador de coletes, então, acabou seguindo para o Palmeiras, onde Alexandre Mattos já se encontrava e onde encontrou, mais uma vez, um time montado.

E mais: venceu uma Copa do Brasil que o Santos entregou. Quem não lembra o lance que o atacante Nilson perdeu um gol sem goleiro? Se o Santos fizesse aquele gol, seria 2 a 0 o primeiro jogo e o Palmeiras dificilmente viraria. Sabe o que aconteceu com Nilson após o gol que podia ter rendido milhões em sua conta bancária? Foi dispensado, passou pelo América e, agora, sumiu no futebol. Foi punido por ser incompetente na "hora h".

Hoje o Cruzeiro tem um ótimo treinador no comando. Pode fazer alterações que deram errado, ter escalado jogador em posição diferente, ter inventado moda quando não devia e ter usado da parcimônia quando deveria ter motivado o time, pilhado os caras. Mas é um treinador que tem o comando, que treina, que trabalha, que sabe o que faz e que tem experiência. Tem poder para afastar quem quiser, dispensar quem quiser. Não é pau mandado, como era o antigo treinador, agora pedido aos brados nas redes sociais. E mais: se Marcelo fosse bom realmente, não estaria há seis meses desempregado. Treinador ultrapassado, que teve a felicidade do Cruzeiro, um dia, passar arriado na sua frente. Sem o Cruzeiro, não passa de treinador mediano.

Torcedor, apoie Mano, apoie o time! Torcida não pode virar as costas para um elenco que vai render, mas que precisa do seu torcedor próximo. A gente foi ao Morumbi e fizemos um jogo fantástico! A gente fez um jogo irrepreensível na primeira partida da final, mas a "bola não entrou". Podemos render mais. Mano montou o time que quis esse ano. E temos que dar crédito ao cara que nos tirou de duas vergonhas nos últimos dois anos. Nada de Marcelo! Temos que ser 100% Mano.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

VICE. QUE SIRVA DE EXEMPLO


POR: JOÃO VITOR VIANA

O Cruzeiro tinha que vencer. Não só não o fez, como sequer empatou. Isso porque jogou sem gana, parecia, novamente, desmotivado. Era a final, a finalíssima. Mas os jogadores pareciam querer deixar o tempo passar e não ligavam do tempo passar rápido. Quando conseguiu o empate, em vez de matar o jogo, pois teve chance, desacelerou. Permitiu ao rival crescer, fazer o segundo e liquidar o campeonato. Que sirva de exemplo!

Jogando com essa má vontade, o Cruzeiro vai apenas participar dos torneios no ano. A torcida, que estava empolgada com a montagem do elenco no início, já começou a pedir trocas, questiona estratégias e tem em Mano o seu maior alvo. E, se antes eu era um defensor do treinador, até pelo que ele fez por nós num passado próximo, atualmente já não faço tanto coro contra as manifestações, embora ainda confie no processo do treinador.

A perda do título mineiro tem que servir de exemplo. Entrar em campo com essa preguiça não classifica o Cruzeiro nem na Sul-Americana! Tampouco em jogos da Copa do Brasil e decisivos do Brasileiro. Necessário focar, dar o seu melhor e jogar com afinco. O Cruzeiro não pode ser um time de jogador mole. 

sexta-feira, 5 de maio de 2017

ENTREVISTA COLETIVA: DEDÉ

video

Zagueiro celeste fala de sua atuação diante da Chape e do jogo que o Cruzeiro tem pela frente, domingo, no Independência. Vale o título mineiro!

HORA DO TUDO OU NADA


POR: JOÃO VITOR VIANA

Domingo é tudo ou nada. Dia de decisão, sem prorrogação. Última chance para levantar o torneio estadual deste ano. Há dois anos sem chegar à final, agora caberá ao Cruzeiro voltar a levantar a taça e ao capitão Henrique de ser o homem a fazer o gesto. Mas, para isso, muita coisa tem que acontecer.

Não temos o empate ao nosso favor. Não teremos, de início, o tempo também. Caberá à equipe de Mano Menezes jogar por uma bola e saber como aproveitar. E por que digo jogar por uma bola? O Cruzeiro não precisa sair feito louco para buscar a vantagem. Tem que jogar com inteligência, sendo eficiente como foi diante do São Paulo naquela que foi a melhor partida do time no ano. Ou seja, tem que jogar com esperteza, com inteligência, feito uma raposa, de fato. É o típico jogo para mostrar uma solidez defensiva e uma competência ofensiva. Um jogo para o Cruzeiro ser Cruzeiro.

O estádio terá 92% de torcedores adversários e 8% apenas de cruzeirenses, uma vez que o local da torcida visitante não comporta 10% da capacidade do local. Então, haverá pressão das cadeiras, haverá a pressão por ser o jogo da finalíssima e uma pressão que pode aumentar a medida que a vantagem ao adversário for aumentando. Assim, caberá ao Cruzeiro controlar tudo isso, suportar o que vem de fora e mesmo dentro do campo, e mostrar-se eficiente a partir de suas próprias criações ofensivas, colocando a bola para dentro e fazendo vibrar os pouco mais de 1800 torcedores presentes. É um jogo para "tudo ou nada". Contudo, é um jogo para saber controlar os nervos e mostrar que, dentro ou fora, com apoio da torcida em massa ou não, o Cruzeiro é e sempre será o Maior de Minas.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

REDUTO AZUL

O Cruzeiro anunciou, na manhã desta quinta-feira, que irá instalar telões na Esplanada do Mineirão para a transmissão da final do Campeonato Mineiro contra o Atlético, no domingo, às 16h. O evento no Gigante da Pampulha irá começar quatro horas antes do início da partida e contará com apresentações musicais.

Os ingressos já estão sendo comercializados pela internet, por meio do site www.blueticket.com.br, além dos pontos físicos de venda. As entradas de pista e área vip custam R$ 20 e R$ 30, respectivamente. Já o camarote, que conta com serviço open bar, tem preços de R$ 50 para mulheres e de R$ 80 para homens. Há taxa de conveniência de 10% para as vendas online.

Informações: SITE OFICIAL

QUANDO VAI ENGRENAR?

POR: JOÃO VITOR VIANA

O Cruzeiro precisa convencer. Muito pelo elenco que possui no papel. Mas, dentro de campo, deve. Deve em comportamento tático, em erros de fundamentos básicos e em atitude. O Cruzeiro raramente propõe o jogo, preferindo jogar no erro do adversário. Quando propõe, tropeça no último passe e acaba não definindo o jogo, caso, por exemplo, do primeiro jogo da final do Mineiro, quando dominou amplamente, mas foi incompetente ao não sair de campo com a vitória.

Diante da Chapecoense, não houve nem um, nem outro. Em apenas um lapso de bom futebol, Raniel abriu o marcador. E o futebol parou por ali. Vimos 90min de futebol ruim, de um time querendo que a partida terminasse logo. Cabeça no jogo de domingo? Bom, acredito que a partida de ontem, pelo valor que tem a competição, merecia uma atenção maior.

Aí, talvez, chegue um torcedor mais exaltado e diga que o rival, mais cedo, poupou quatro atletas e mesmo assim ainda venceu por goleada o seu adversário, fora de casa. E que o Cruzeiro é inferior. Calma, torcedor! Cada jogo é um jogo. Espero, sinceramente, que todos os gols que o nosso rival podia fazer tenham sido feitos ontem. Que eles tenham gasto tudo diante daquele time de pelada, chamado Sport Boys, que no Campeonato Mineiro, fatalmente seria rebaixado. Não vou desmerecer o adversário do rival, que levou de 5 a 1, em casa, na Bolívia. Sem supervalorizarei o nosso, que sequer veio com um atleta titular, a exemplo do que fez pelo jogo da Primeira Liga, no início do ano. Foram dois jogos, um com mais emoção que o outro. Mas cada jogo é um jogo e que domingo, no Independência, possamos rir por último.

Outro Cruzeiro

O técnico Mano Menezes não gostou do que viu, prometeu um "outro Cruzeiro" no domingo e avaliou algumas atuações. Para ele, o time não foi bem, justificou o desinteresse na partida por causa do foco na finalíssima. "Disse a eles que a vitória de hoje (ontem) foi goleada por aquilo que produzimos. Entendo que no domingo teremos um time bem diferente do que a torcida viu diante da Chapecoense". Mano ainda puxou a orelha de Lennon: Ele errou onde não podia e quase cedeu o empate. Tem que tomar cuidado".

Mais chances

Para uma coisa o jogo diante da Chape serviu: alguns reservas devem ter mais chances no time principal. Principalmente Dedé, que voltou a mostrar vontade e foi o melhor jogador do Cruzeiro. Não pensaria duas vezes em colocá-lo domingo. Líder, técnico, rápido e voluntarioso. Jogador de decisão.

quarta-feira, 3 de maio de 2017

JOGO FRACO EM VITÓRIA CELESTE


POR: JOÃO VITOR VIANA

Nossa senhora! Quem foi ao estádio foi herói. Pagou para ver uma partida de oitavas de final e viu um futebol digno de pelada de pinguço. E depois de beber. Jogo tecnicamente fraco, de poucas oportunidades e que claramente mostrou que a cabeça dos jogadores não estava na partida. Iniciou bem, com um gol relâmpago, de Raniel. E só. Depois disso, uma pelada horrorosa, de erros bisonhos, passes ruins e ataques preguiçosos. Torcedores, vocês que foram ao estádio, meus parabéns.

Vi pela televisão dessa vez. Frio, jogo transmitido diretamente para a cidade, horário ruim. Aliado a isso, Mano Menezes ainda resolveu poupar alguns atletas e mexeu em cinco posições. A Chape não ficou atrás e pôs um time alternativo em campo. Quem viu o jogo entre as equipes pela Primeira Liga, quando quase o mesmo cenário se desenhou, ficou com saudades daquela partida, que já havia sido ruim. Mas a da noite desta quarta... ficou a anos-luz no critério de ruindade.

Chances para alguns atletas mostrarem futebol. E ninguém aproveitou. Ninguém mesmo. Nem Raniel, que fez um golaço. Além do gol, não fez nada, a não ser correr para um lado e para o outro, feito barata tonta. Alisson abusou dos erros; Henrique errou inúmeros passes; Lennon achou que era a última bolacha do pacote e, num lance, quase entregou um gol ao adversário. Talvez, nesse cenário caótico, salve apenas Dedé, que mostrou vitalidade, jogou com vontade, ainda que sem ritmo. Talvez também fale de Diogo, mas que não foi aquele que chegou a dominou a lateral. Hoje foi razoável.

Que esse time se anime para domingo. Com o futebol de hoje fica complicado prever o que pode acontecer. Cada jogo é um jogo. Mas o Cruzeiro precisa melhorar muito, se "pilhar" muito para levantar taça. O jogo da noite desta quarta foi muito ruim. Mas ruim de doer os olhos. E, mais uma vez, para aqueles que foram ao jogo, a diretoria deveria devolver o dinheiro. Por vergonha daquilo que o time mostrou. 

terça-feira, 2 de maio de 2017

CONFIRMADO: DUAS TORCIDAS EM PALCO QUESTIONÁVEL


POR: RAPOSO SENSATO

Duas torcidas.

Nada mais justo.

Umas delas vai comemorar o título no domingo.

Ter torcida única, além de infringir o regulamento, fugia, por completo, da sanidade.

Mas falar em sanidade vindo do nosso rival?

Falar de sanidade vindo da FMF?

Nem se viesse da Prefeitura.

Aliás, a instituição máxima municipal nada faz sobre a concessão do Independência.

O alvará do estádio já venceu e nada será feito tão cedo.

Ou seja, o palco da decisão do Mineiro será um estádio sem condições.

Há condições jurídicas apenas porque prorrogaram o alvará, até conclusão de estudos.

Aliás, os estudos começaram em outubro.

Até agora, nada de conclusão.

Pelo visto, se estas pessoas fizessem o Enem, já teriam "tomado pau".

Eita redação demorada!

segunda-feira, 1 de maio de 2017

VÍDEO: MELHORES MOMENTOS E COMENTÁRIOS

video

Créditos: Cruzeiro Mídia

VÍDEO: MANO MENEZES ANALISA O JOGO DIANTE DO RIVAL

video

Créditos: TV Cruzeiro

A HORA DO CURRÍCULO ENTRAR EM CAMPO


POR: JOÃO VITOR VIANA

Currículo: algo que sempre foi cobrado no Cruzeiro. Ao menos, algo que foi pedido, martelado à exaustão depois de dois anos sem, sequer, ir a uma final de Campeonato Mineiro. A torcida pediu jogador "cascudo", acostumados com decisão. E, para 2017, vários desses jogadores fazem parte do elenco celeste. E, agora, é hora de isso fazer a diferença: hora do currículo entrar em campo! Thiago Neves, após o jogo, chamou a atenção para isso: "Temos jogadores acostumados a decisões. Temos qualidade e capacidade de ser campeão lá dentro". 

Além de contar com esses jogadores "cascudos", o Cruzeiro terá um desgaste, agora, a mais: na quarta-feira, às 21h45, pega a Chapecoense, no Mineirão, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. Mais um jogo decisivo pela frente, em uma competição que o clube está acostumado. Campeão em 93, 96, 2000 e 2003, o Cruzeiro persegue o quinto título, buscando igualar com o Grêmio o número de conquistas. Terá que jogar, se precavendo de lesões, sem arriscar um jogador que possa vir a ficar mais tempo longe do gramado, Ou seja: possível que Robinho e Ezequiel não atuem para estarem aptos no domingo, na última partida do Campeonato Mineiro, diante do rival. Aliás, o adversário de domingo também joga no meio de semana. Aquele que chegar mais inteiro e souber jogar a partida, leva a teça. Que seja o Cruzeiro!

Críticas
O técnico Mano Menezes afirmou que a arbitragem de Dewson Freitas foi dolorosa. "A gente viu o tipo de arbitragem que tivemos. Foi dolorosa. Lances claros que os cartões não foram dados. O árbitro contemporizou para não tirar ninguém do segundo jogo. Foi assim como o Marcos Rocha e com o Gabriel. Tivemos ainda um lance de possível penalidade máxima, mas não foi marcado. Mas ainda assim podemos chegar lá no domingo e ser campeões", destacou.

domingo, 30 de abril de 2017

EMPATE NO PRIMEIRO DUELO


POR: JOÃO VITOR VIANA

O resultado ficou minguado. 0 a 0 no primeiro jogo entre Cruzeiro e o rival não desenhou muito o que foi o jogo. Foi jogo de um time só, no caso, o Cruzeiro, que martelou, mas não concretizou as chances em gol. No primeiro tempo, sete chances criadas, mas que pararam nas tentativas.

Aliás, o primeiro tempo foi muito melhor que o segundo. As alterações promovidas por Mano Menezes não deram resultado. Pelo contrário, o time acabou diminuindo a intensidade e, no final, acabou cansando.

O rival jogou recuado, pelo empate. Não chegou nenhuma vez no primeiro tempo e teve apenas uma chance no segundo. A vantagem do rival está mantida e jogará pelo empate no segundo jogo da final, domingo que vem, no Independência. Pode-se dizer que o rival jogou numa estratégia "a la Mano", recuado, jogando no contra-ataque. Não encaixou nenhum, assim como o Cruzeiro, que propôs o jogo durante os 90min. Agora é vencer no Independência. O empate não serve. Para cima deles, Cruzeiro! Que no domingo que vem, a bola "queira entrar".

MISTÉRIO LEVADO PARA O VESTIÁRIO

POR: JOÃO VITOR VIANA

O Cruzeiro está definido. Contudo, apenas na cabeça de seu treinador, que vai esperar até o último minuto para divulgar a escalação. Concentrou 25 atletas. Desses, apenas 11 entram em campo. Tudo para não dar brecha ao rival de tentar neutralizar esse ou aquele jogador.

O que se sabe é que Robinho, Thiago Neves e Ezequiel vão com o grupo. Não se sabe, porém, se iniciam a partida.

Rafinha/Alisson ou Thiago/Robinho? Ou uma mescla disso? Apenas uma hora antes do duelo de hoje que o torcedor e o adversário saberão.

Ficha Técnica

CRUZEIRO x ATLÉTICO-MG

Motivo: jogo de ida, final do Campeonato Mineiro 2017
Data/Hora: 30/04/2017, às 16h

Local: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)

Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva

Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse

CRUZEIRO: Rafael; Mayke (Ezequiel), Léo, Kunty Caicedo e Diogo Barbosa; Henrique, Hudson; De Arrascaeta, Thiago Neves, Rafinha; Rafael Sóbis. Técnico: Mano Menezes

ATLÉTICO-MG: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Gabriel e Fábio Santos; Rafael Carioca, Elias; Robinho, Otero, Maicosuel (Marlone); Fred. Técnico: Roger. 

VÍDEO: NÃO HÁ COMO ESQUECER! 6 A 1 ETERNO!

video

Podia muito ser o espelho de logo mais!

VÍDEO: BELA VITÓRIA! ÉPICA!

video

Felipão disse na hora da virada, batendo no peito, "eu sou foda, eu disse que ia virar!"

QUANDO A HISTÓRIA É VERDADEIRA, SE PROVA...

video

Tem idiota que comemora 10 anos daquele gol sofrido por Fábio? Bom, há 33 anos, João Leite levava um PERU (gluglugluglu) de costas. Gol de Tostão II. E a bola morreu no fundo do gol. Frangas, comemorem 10 anos daquele gol de Vanderlei. A gente comemora títulos e rebate suas comemorações toscas. Aliás, há 11 anos vocês estavam na Série B!

sábado, 29 de abril de 2017

MEMES: FRED E MARCOS ROCHA


BRIGA FORA DE CAMPO... DIMINUIÇÃO DE UMA FINAL

POR: JOÃO VITOR VIANA

Tem muito jornalista, treinador, jogador que dizem que o "futebol vai muito além do que realmente é". Mas parece que o nosso rival está levando isso muito de forma literal. Parece procurar, a cada dia, de todos os detalhes, como se isso fizesse alguma diferença dentro de campo. Uma verdadeira atitude antiética e preocupante. Além de mostrar uma postura vitimista, se colocou em posição de exigir coisas que deveriam ser discutidas com bom senso, entre as partes, principalmente visando a paz nos estádios. Mas...

O rival exigiu árbitro de fora; não topou jogar duas partidas no Mineirão com torcida dividida; mandou requerimento sobre gandulas; quer jogar em casa com apenas uma torcida. Tudo isso, questionável, foi aceito de forma muito estranha, pela FMF, detentora (sabe-se lá o porquê) dos mandos de campo das semifinais e finais. Inverteram mando de campo da URT, prejudicam o Cruzeiro... tudo isso que diminui o evento principal, que é a final do Campeonato Mineiro. Parece que o que mais importa é o extracampo, sendo que o campeonato se decide dentro. Se bem que... o árbitro que vem aí deixa qualquer um de cabelo em pé.

Quem não se lembra da agressão digna de prisão de Cássio em Ábila no ano passado? Sequer deu falta! Foi pênalti, para expulsar o goleiro e em um jogo que mudaria. Vem o senhor Dewson Freitas vem aí!

Outras maracutaias!
Fred teve a pena diminuída em relação à punição que teve sobre Manoel. O estranho é que pegou pena mínima (quatro jogos em 12). E sendo pena mínima, conseguiram ainda reduzir para três, o número de jogos. Tudo para ele jogar a final. Vergonha! Fora isso, o presidente do rival, em conluio, ao que parece, com a FMF, marca o jogo onde quer, quando quer e com torcida única. Assombroso clubismo em Minas! Tudo visando o benefício do time descoberto em 2013. O rival e a FMF (não sei se a PM está no meio) agem como boa parte dos políticos brasileiros: na cara dura, sem esconder nada, buscando êxito com manobras lamentáveis, que diminuem o valor do espetáculo.

Usando isso a favor
O Cruzeiro deveria usar isso como combustível para o primeiro jogo diante do rival. É entrar em campo com sangue nos olhos. Afinal, o clube está contra tudo e contra todos. E isso deve ser usado para fortalecer. Já diria bem o Sóbis. "Não há como saber (se o extracampo interfere no resultado). Se a gente ganhar, vão dizer que não. Se perdermos, vão dizer que sim. É algo que vai muito do resultado. Cabe a nós entrar em campo e jogar futebol". E que o Cruzeiro jogue, turbinado por toda essa falcatrua que perpassa o cenário e Minas, que enoja qualquer apaixonado por futebol, principalmente os cruzeirenses.


sexta-feira, 28 de abril de 2017

VÍDEO: ENTREVISTA COLETIVA: MANO MENEZES

video

Créditos: TV Cruzeiro

VÍDEO: ENTREVISTA COLETIVA DE DIOGO BARBOSA

video

Créditos: TV Cruzeiro

VÍDEO: BRUNO VICINTIN FALA SOBRE A PALHAÇADA DO MINEIRO. CONFIRA AINDA O ÁUDIO DO PRESIDENTE DA FMF!

video

Créditos: TV Cruzeiro

video

Créditos: Cruzeiro Esporte Clube

QUANDO TUDO COMEÇA MAL... TERMINA MAL. E QUE TUDO ISSO SEJA UM INCENTIVO!

POR: MARCÃO ANTI-FRANGA

Estamos na reta final do Campeonato Mineiro. Mas o foco parece estar mais do lado de fora do que do lado de dentro. Ouvimos o presidente da Federação falando asneira, dizendo que conversará com Bruno Vicintin quando ele for presidente; lemos o presidente do rival garantindo o segundo jogo no Independência, com torcida única e a diretoria do Cruzeiro fazendo beiço para tudo isso. Não bateu o pé na primeira reunião, assinou um regulamento completamente imbecil, e agora vêm a público falando isso e aquilo. Mas tudo começou mal.

Tudo começa mal quando se assina um documento que valida um torneio. Concordaram em dar á federação plenos poderes de decisão ao seu final, em um campeonato que, sabe-se, é tendenciosa, maliciosa e torce com plenos pulmões por um único time: o mesmo da imprensa.

Então, amigos, não vamos pregar nas redes sociais que o Cruzeiro não deve entrar em campo no segundo jogo se não tiver os 10%; não vamos ficar falando para o Cruzeiro ser covarde; não vamos pregar que o Cruzeiro queira, também, rasgar o regulamento. Aqui, por enquanto, há dois errados, todos que vestem o uniforme preto e branco: rival e FMF. Ainda ponho nesse bolo a PM, que parece estar de conluio com esses dois e também a imprensa, que não interpela o presidente, não pergunta sobre igualdade na final e não fala nada além daquilo que alguns editores pedem. Por que? Porque quando tem uma resposta provocativa do entrevistado, dão um sorrisinho de canto de boca, vibram por dentro e tacam no papel ou no microfone. Ponto. 

Cruzeiro, contra tudo e contra todos somos um! Vamos com garra, confiança e vamos fazer dessa palhaçada extracampo, um incentivo dentro das quatro linhas. Hora de mostrar que futebol se ganha no campo, não no grito, não no poder, não no clubismo. O Cruzeiro é maior que tudo isso, é o MAIOR DE MINAS não por acaso. É o maior vencedor e sempre vai ser. Para cima deles, Cruzeiro!

quinta-feira, 27 de abril de 2017

VÍDEO: ARENA SPORTV FALA DA FINAL DO CAMPEONATO MINEIRO

video

QUEM FOI AO AR... PERDEU O LUGAR!


POR: JOÃO VITOR VIANA

Ao que parece, em uma grande equipe, quem dá margem à concorrência, perde. Foi assim com o goleiro Fábio, que se lesionou e foi substituído por Rafael. O atual titular tem sido um dos principais jogadores da equipe, sendo decisivo em vários jogos e um dos responsáveis para que o Cruzeiro tenha chegado à final do Campeonato Mineiro e tenha progredido na Copa do Brasil. Até por isso, a volta do antigo titular e capitão vem sendo adiada, já que não há motivos para tirar Rafael da meta celeste.

O mesmo ocorreu no meio-campo. Ariel Cabral, que estava bem, regular e ajudando a equipe, se lesionou, operou e ficará alguns dias fora de combate. Hudson, que já vinha bem, substituindo Henrique, foi mantido, revezando com o atual capitão na função de primeiro e segundo volante. Hudson também aproveitou a chance e Mano já avisou: ele conseguiu a vaga de titular.

Na zaga, Manoel também machucou. Caicedo o substituiu, mas ainda não teve tempo de mostrar que pode ser titular também. Mas as chances serão dadas. Talvez, a incógnita do substituto esteja apenas sobre Mayke e também Rafinha. Apesar do lateral titular em 2014 não estar agradando, ainda tem a confiança de Mano. Rafinha, que também não vem sendo uma "Brastemp" também tem agradado ao treinador, nem tanto a torcida. Mas sçao as duas peças que ainda não convenceram. Rafinha dificilmente ficará na equipe, já que Robinho é titular absoluto. Contudo, a lateral está em aberto. Hoje, Mayke disputa com Lennon e Ezequiel a titularidade da função. Veremos se será mais um que ocupará a vaga depois que o titular "deu mole" ou azar.

NOTAS DA TOCA


quarta-feira, 26 de abril de 2017

SEQUÊNCIA FORTE


O QUE ACONTECE COM A TORCIDA?

POR: MARCÃO ANTI-FRANGA

O que acontece com a torcida? O melhor é sempre o jardim do vizinho? Quanta chatura nas redes sociais! É gente falando que o Cruzeiro tem que contratar fulano, que o técnico é fraco e tem que trazer outro, que cicrano é ruim, que o melhor é o jogador que chegou recentemente e sequer jogou. Caramba! Por que esse mimimi chato? Cadê aquela torcida vibrante do Cruzeiro?

Ao que parece, tem gente que gosta de viver em crise, que não vê graça em nada e que não deve ter muito o que fazer da vida. Ler um livro, namorar, passear, dormir... isso faz bem, ok, pessoal?

Não acho que está tudo às mil maravilhas. Mas também não está toda essa meleca que muitos pregam. Tem jogador que não está rendendo? Tem. Podíamos estar jogando melhor? Podíamos. Mas temos um elenco bom? Um dos melhores do país! Temos um técnico bom? Talvez, o melhor do país na atualidade. Nada de ficar falando de Cuca, de Marcelo Oliveira ou Levir Culpi. Estamos muito bem servidos, tanto de atletas, quanto em comando técnico. Como disse uma vez o atacante Rafael Sóbis, "não sei se é o melhor, mas é o melhor para o Cruzeiro no momento".

Aliás, o próprio Rafael Sóbis vem sendo sobrado nas redes sociais. Sério mesmo que o querem fora do time? Sabem a importância que ele tem para o time? Com certeza não. É um líder, dentro e fora de campo. É o cara que joga para o time, que dá raça. Pode, às vezes, não fazer gol, mas é o cara que abre espaço, que dá o passe, que pressiona o adversário. Futebol não é apenas gol. É necessário ver todo o contexto.

Por isso, a torcida tem que parar de ficar nesse mimimi chato, de achar que Lennon é o melhor lateral do mundo. Pode até ser bom, mas vamos esperar jogar para ver. Temos o Dedé voltando, temos o Lucas Silva querendo uma vaga no time, temos no banco o que muito time não tem no time titular. Não é hora para choradeira, encheção de saco ou corneta de plantão. É hora da torcida estar junto. Temos uma final nos próximos dois fins de semana. E se a torcida ficar nesse trelelê enjoado, em nada vai ajudar a equipe.

terça-feira, 25 de abril de 2017

PANEJAMENTO: RECUPERAÇÃO


POR: JOÃO VITOR VIANA

O Cruzeiro terá a tão esperada "semana cheia" para se preparar para o primeiro jogo da final do Campeonato Mineiro. Mais do que isso, buscará a recuperação de atletas, que estão no Departamento Médico do clube, uns há mais, outros em menos tempo.

São os casos de Robinho e Thiago Neves, dois jogadores "pensadores", que fazem muita falta no esquema de Mano Menezes. O primeiro, aliás, parece até mais "insubstituível", uma vez que, até o momento, rendeu mais e, pelo visto, mostrou não ter, no grupo celeste, um substituto à altura. Já Thiago, que foi bem em alguns jogos, tem mostrado um desempenho bem alternado. Contudo, inegável sua qualidade técnica, principalmente na bola parada. Desde domingo, são seis dias para que Mano Menezes tenha de volta dois de seus principais jogadores. Se não para iniciar o jogo, para participar no decorrer da partida.

Lá vem a Polícia!
Estava demorando! A corporação afirmou que a final, semana que vem, no Independência, deve ser com torcida única. Talvez pelo fato de não querer trabalhar ou querer ganhar dinheiro fácil. Ao se pronunciar desta maneira, a própria Polícia colabora para o comportamento agressivo de "torcedores", que vão ao estádio para extravasar suas mazelas na vida. É dever da Polícia, que é bem paga para esse tipo de evento, garantir a segurança daqueles que querem participar. Hoje haverá reunião para tratar do assunto. Mais um posicionamento lamentável da PM Mineira, que há muito deixou de ser exemplo de competência. Se ela não garante a segurança, contratem seguranças privados. Ponto.

Expirou!
O alvará de funcionamento do estádio Independência expira hoje. É o que mostra o registro imobiliário do estádio. A Prefeitura disse que até que se avalie alguma alteração, o alvará será constantemente prorrogado até que o Conselho de Meio Ambiente (Coman) analise a licença de operação. Esta averiguação está sendo feita desde outubro do ano passado. Vergonha tamanha lerdeza!