quarta-feira, 21 de junho de 2017

ROMERO MAIS 10



Diferentemente daquilo que víamos publicado no início do ano, junho parece ter sido um mês de redenção para Lucas Romero. O jovem volante, que chegou do Velez com pompa de jogador de seleção argentina, mas quase caiu no ostracismo ao ser deixado de lado ou aproveitado fora de sua posição, reconquistou o posto o qual pleiteava desde sua chegada: o de titular.

Bem nos últimos jogos do Cruzeiro, e numa crescente, Romero conquistou a posição de primeiro volante. Agora, os antigos titulares vão ter que sair da sua zona de conforto. E não importa se era capitão: Henrique, um jogador que tem história e mostrou-se regular em tantos anos de Cruzeiro precisará se reinventar para, ao menos, jogar ao lado de Romero. Hoje a realidade é uma: no Cruzeiro é Romero e mais dez.

E pensar que no início do ano, o agente do jogador queria negociá-lo com o mercado europeu. Bravo porque Romero não tinha chances, reuniu-se diversas vezes com diretores do Cruzeiro, indicando-se insatisfeito e que procuraria um novo destino para seu atleta, que não tinha a atenção devida. Com o tempo e também devido às contusões, Mano Menezes deu a chance que Romero esperava. O "cachorro", apelido da época de Velez, não só agarrou como não largou. Em entrevistas sempre se colocou à disposição do Cruzeiro para jogar em qualquer posição. "Eu quero fazer história aqui", chegou a declarar o camisa 29.

E com Romero entre os titulares, o Cruzeiro encara a Ponte Preta, amanhã, às 19h30, no Moisés Lucarelli. Uma vitória leva o Maior de Minas a um patamar próximo do G-4, afastando-se dos times lá de baixo. Quem vai a campo? Apenas duas certezas: Leo, suspenso, dá lugar a Murilo; e, no meio-campo, Romero.

11 comentários:

Observandotudo disse...

Eu sou admirador dos jogadores argentinos pelo respeito ao contrato que assinam e a agremiacao que paga seus salários. As vezes mesmo injustiçados eles respeitam as decisões dos técnicos vão pra o banco de reservas continuam treinando forte e quando o time precisa deles estão sempre no melhor de sua forma. São respeitados no mundo inteiro; muitos clubes do exterior preferem argentinos a brasileiros; muitos brasileiros não levam muito a sério os contratos que assinam. Vejam Ariel Cabral desde que chegou jogando ou não sempre esteve na melhor forma este ano começou com tudo e se diferenciou desde o início do ano; percebi sua subida de produção e comecei a defende-lo contra a opinião da maioria da torcida; quando se machucou fez falta ao time e retornou no fogo contra o Sport. De lá pra cá só subiu de produção.
Uma pena que não temos um bom técnico que saiba escalar o time e entenda de esquemas táticos.

Observandotudo disse...

Lembram do Farias um centro avante argentino que não deu certo no Zero?
O cara foi afastado do grupo porque não abriu mão de cumprir seu contrato até o final.
Com alto salario treinou a parte mais de seis meses. Mas quando o Cruzeiro estava pra cair e recorreu a ele o Farias se reintegrou aogrupo jogou e ainda fez um gol que praticamente salvou o Cruzeiro da segundona; depois voltou a treinar em separado até chegarem a um acordo. Foi mais ou menos isso.
Que exemplo de PROFISSIONALISMO.

Marcus disse...

Quem jogará no lugar do D. Barbosa contra a Ponte?

Antonio Rodrigues Santos Santos disse...

Fabrício

Antonio Rodrigues Santos Santos disse...

Com Fabrício na lateral,vamos sofrer.

Antonio Rodrigues Santos Santos disse...

Concordo plenamente com vc observador.

Anônimo disse...

era melhor o Bryan

Antonio Rodrigues Santos Santos disse...

Quem entende Mano Meneses?

Jose Tadeu Fioravanti disse...

Henrique se reiventar?!Henrique é isso aí mesmo,não têm muito o que fazer...se fôssemos medir o nível de produtividade dele nesses anos todos,aí então todos veriam que esse jogador muito pouco contribuiu para o Cruzeiro.

CONTABILIDADE GERALDO RIBEIRO disse...

bom era o nilton que defendia e ainda metia gols, este ai num guenta nem chutar a bola,é jogador pro ameririquinha, boa esporte.ponte preta.

Pedro Lage disse...

assim como leandro guerreiro