quarta-feira, 2 de agosto de 2017

QUANTO MAIS MEXE, MAIS FEDE

Não é normal, senhor Sérgio Freire! Assim podemos resumir o que toda a torcida do Cruzeiro pensa a respeito no número elevado de contusões no elenco esse ano. Pior que isso tão somente é o tratamento destinado aos jogadores, que não só não se recuperam como voltam a se lesionar. E para se defender, agora, o departamento médico do clube usa dados comparativos. Não é a melhor saída para justificar uma falha interna que, sim, existe.
Junto a um levantamento médico feito pelo site GloboEsporte.com, Sérgio Freire diz que o departamento médico do clube está estigmatizado. "Se analisarmos o cenário nacional a gente vê que o número de lesões no Cruzeiro são normais", disse. Essa, com certeza, não foi a melhor frase para dizer ao torcedor. Que cenário nacional? Noso rival não tem tantas lesões assim. Há lá, sim, um caso crônico do Luan. Mas é um caso isolado. No Corinthians tem esse número de contusões? No Palmeiras? Em algum time, um jogador fica dois anos sem jogar, praticamente, e depois joga cinco partidas e fica quase três meses fora? Recentemente vimos o caso do Arrascaeta, que ficou 55 dias fora e, agora, mais dois meses e meio. Sério, Sérgio Freire, que isso é normal? Normal é o caso do Fábio, que teve lesão no joelho, ficou oito meses de fora e não teve mais nada depois disso. E ele vai fazer 37 anos! Não era normal o número de lesões em Alisson, que diminuíram esse ano. Não é normal, Sérgio Freire, que um atleta como Dedé, que pouco se lesionava, ficar todo esse tempo entregue ao departamento médico. Não é normal, um atleta de 22 anos, como é Arrascaeta, jogar uma partida em cinco meses; não é normal, Sérgio Freire, esse número de lesões.
Para o médico-chefe do Cruzeiro, a situação tende a piorar no final da temporada. "Normalmente, no fim de temporada, pelo desgaste, o número de lesões aumenta. O que aconteceu esse ano, entre abril e maio, foi um número anormal de lesões traumáticas, que não são possíveis de prever, de evitar", justificou. Ou seja, se já estava ruim, a desculpa para novas lesões já está dada e o departamento médico meio que "lava as mãos para os casos do acaso e para a própria incompetência".
Não é necessário ser médico para notar um cenário atípico, que acontece somente no Cruzeiro. A torcida chama o departamento médico de açougue, que daqui a pouco "vai vender carne", duvidando da competência ou da estrutura que o clube oferece. Seria muito mais coerente o chefe da equipe médica assumir que há uma defasagem de equipamento, que é necessário renovar ou que, por fim há algum erro técnico ou de competência profissional da recuperação dos jogadores. Edu Dracena, enquanto esteve aqui, optou por fazer cirgurgia fora. Já Judivan... está no DM há dois anos e sem previsão de volta. Um talento jovem que vai perdendo a chance de mostrar seu futebol e sua situação é sempre adiada. Até quando? Há um tempo não tão distante, o ex-treinador do Cruzeiro, Paulo Bento, alertou: "Isso (número elevado de lesões) não é normal". E não é mesmo! Assim como anos atrás se defendia que o DM do Cruzeiro era bom, de profissionais respeitados e ainda assim foi feita uma "limpa", a torcida espera que o mesmo se faça. Justificar os próprios problemas com um "acontece no Brasil inteiro", a torcida não quer ouvir. A torcida quer que o médico chegue e fale: "nós temos o melhor método e estrutura do Brasil". 
Jogos fora
As recentes lesões de Ariel Cabral, que ficará de três a quatro semanas fora; e de Arrascaeta, que não jogará pelos próximos dois meses, causará um imenso transtorno ao clube. Jogos diante de Vasco, Botafogo, São Paulo e, possivelmente, Sport, Ariel não deverá participar. O médico Sérgio Freire afirmou que vai trabalhar para que Ariel esteja em campo diante do Grêmio, dia 16. Mas diante dos fatos, é melhor não poer o atleta, acontecendo o risco de perdê-lo por maior período. Assim, dificilmente estaria em campo. Talvez, na volta, dia 23. E olhe lá. Já Arrascaeta, não só está fora destes jogos, como a previsão é que retorne tão somente após a final da Copa do Brasil. Ou seja, nessa competição, já não jogará. Além deles, hoje, no DM do clube estão Manoel, Elber, Judivan, Dedé e Galhardo. Manoel não deverá estar em campo diante do Vasco, mas deve voltar no jogo seguinte. Desculpa: fez um esforço maior e vai ser preservado. Dedé segue sem prognóstico de retorno. Segundo Sérgio Freire, o atleta teve complicações pós-operatório e tem suportado a fisioterapia. Judivan estaria quase liberado e por situações atípicas de complicações, também teve seu tratamento dilatado. Deve retornar em breve, segundo o médico. Galhardo, que foi contratado sem condições de jogar, sendo reprovado nos testes, deverá ser liberado à preparação física em poucos dias. Elber deverá ter condições de jogo já para quinta. 
Quem pode aparecer diante do Vasco
Robinho deverá ser a grande novidade na relação de Mano Menezes, que deverá ser divulgada amanhã. Sem Arrascaeta, o meia passa a ser fundamental para a articulação de jogadas pelos flancos. Ezequiel, melhor da pubalgia, é outro que pode ser relacionado e até tem chances de jogar. Hudson, que recentemente foi para a preparação física ainda pode não estar na lista. Mas não tarda a voltar. 

7 comentários:

Observandotudo disse...

Anônimo pediu o blog atendeu fez a matéria sobre a PALAVRA MALDITA que é o DM do CRUZEIRO.
Eu já disse que se me dessem um tratamento gratuito para tratar minhas degenerações artrose crônica nos dois quudris joelho e 03 hérnias de disco, ando com 02 muletas me arrastando e mais meia dúzia de doenças eu não aceitava prefiro continuar com o sus.
Agora jogadores que ganham 200,300,400,500,600,700,800 mil reais oi mais tem que se foder mesmo indo se tratar na palavra maldita.
Não tem contrato que obrigue quando o problema é saúde.

Esses caras tinham a obrigação de saber quais os melhores profissionais no Brasil e no exterior. É só ser tocado por grandes mestres da medicina. A carreira é curta e o jogador tem que acumular grana para o resto da vida. Com os juros mensais das aplicações ( Se forem bem feitas) os jogadores podem se tratar em qualquer lugar do mundo.
Querem ficar na palavra maldita porque é de graça? Fodam-se.
Honrosa exceção para Judivan que sofreu uma pancada criminosa de um FDP uruguaio na seleção de base e seguramente não é rico. Nesse caso a CBF faz seguro para os convocados da base, indeniza o jogador por perdas financeiras, ou o Cruzeiro por perdas patrimonniais?
Alguém me ajuda a tirar essas dúvidas. Grato.




Jose Tadeu Fioravanti disse...

Esse Sérgio Freire nada mais é que um salafrário incompetente!!

Pedro Lage disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pedro Lage disse...

ano q vem esse dm tem q ser reformulado, e tem q vir médico renomado. nada de amigo, ou amigo do amigo. tem q vir quem já mostrou q é competente. os jogadores são parte do patrimônio do clube, e custam caro. jogador parado é dinheiro jogado fora.

outro dia tava lendo a respeito de algumas ferramentas q podemos utilizar na nossa vida. uma delas era essa: qdo pretender q algo aconteça, pense em tudo q deveria ser feito pra dar errado. a ideia é q esse exercício poderia ajudá-lo a entender o q fazer para q atinja o objetivo, ou o q ñ fazer.

às vezes parece q a diretoria do cruzeiro faz tudo q pode para q as coisas deem errado. esses últimos anos foram uma aula de como gastar mal, de como se destrói rapidamente o legado da conquista de dois campeonatos brasileiros seguidos.

incompetentes. vai jogar dinheiro fora assim lá na pqp.

Revétria disse...

Parabéns pessoal do blog por colocar o dedo na ferida! Parabéns "Observando tudo", pelo excelente comentário! Parabéns José Tadeu,por chutar o tornozelo desses malas do DM do CRUZEIRO. Pedro Lage, o seu pedido deve ser uma ordem para essa incompetente gerência do CRUZEIRO!

CONTABILIDADE GERALDO RIBEIRO disse...

QUALQUER JOGADOR ADOECE E SE CONTUNDE AO SABER QUE VAI SER COMANDADO POR MANO MENEZES.

Observandotudo disse...

Kkkkk essa foi boa. É verdade.