sábado, 25 de janeiro de 2014

CRUZEIRO CONQUISTA COPA BRASIL NO VÔLEI

Num jogo emocionante contra o Sesi de São Paulo, decidido no tie-break, o Cruzeiro conquistou neste sábado, em Maringá, no Paraná, o título inédito da Copa Brasil de Vôlei. A vitória mineira teve parciais de 21/17, 15/21, 16/21, 21/15 e 23/21.

Esse foi o décimo título do Cruzeiro em 13 finais consecutivas em quatro anos. A sequência de decisões começou 2010, quando a equipe venceu o Torneio Internacional de Voleibol Irvine, nos Estados Unidos.

Desde então, a equipe foi novamente campeã do Torneio Internacional Irvine, tetracampeã mineira (2010, 2011, 2012 e 2013), vice-campeã da Superliga (2010/11 e 2012/13), e campeã em 2011/12, vice-campeã do Mundial de Clubes, em 2012, e campeã no ano passado, além de ter conquistado o Sul-Americano de Clubes.

Esta ainda é a segunda vez que o Cruzeiro conquista, numa só temporada, três títulos relevantes. Em 2011/12, a equipe foi campeão do Sul-Americano, do Mineiro e da Superliga. Agora, em 2013/14, já coleciona um Mundial, o tetra do Mineiro e a inédita Copa Brasil.

Quatro mil pessoas assistiram no ginásio Chico Neto, em Maringá, a um verdadeiro espetáculo. Com o título, o Cruzeiro assegurou vaga no Sul-Americano de Clubes.

Para chegar ao título inédito, o Cruzeiro venceu o São Bernardo Vôlei (SP) na primeira rodada e o Campinas (SP) na fase semifinal. Após a grande decisão, o venezuelano Luis Diaz, destacou a qualidade do vôlei brasileiro.

“Estou muito contente. Tinha certeza que esse seria um grande jogo. As duas equipes têm elencos muito fortes. Fico ainda mais feliz de ter vindo do banco e ter ajudado o time. Sentimos um pouco o saque deles até o quarto set. No entanto, hoje provamos que podemos jogar contra qualquer equipe. Essa partida foi a demonstração do grande voleibol que é jogado dentro do Brasil. Espero que possamos manter esse nível nas próximas competições”, destacou Diaz.

O levantador e capitão do Cruzeiro, William, foi mais um a ressaltar o alto nível da final da Copa Brasil. "Essa partida reuniu as duas melhores equipes do Brasil. Foi uma partida digna de uma final. A energia do ginásio e entre os times foi maravilhosa. Hoje provamos que somos um grupo forte. Foi a vitória de uma equipe. O nosso grupo fez a diferença. Foi muito bom ter participado dessa competição. A final foi disputada em altíssimo nível”, disse William.

O oposto Wallace, sempre um dos destaque do Cruzeiro, falou sobre a emoção que sentiu durante toda a partida. "Foi um grande jogo. A emoção é enorme. As duas equipes apresentaram um grande voleibol. Tenho que parabenizar minha equipe que é um grupo. Agora, já temos que pensar nas próxima competição", analisou Wallace.

O técnico do Sesi-SP, Marcos Pacheco, mesmo após o resultado negativo, fez questão de elogiar a grande partida realizada pelas duas equipes. “Foi um jogo espetacular, como todos esperavam dessa final. Primeiro e segundo sets foram alternados. No terceiro, tivemos sequencias muito fortes de saques e isso colocou o Cruzeiro em dificuldades. No quarto, eles sacaram muito bem e isso determinou uma vantagem confortável para eles. E o quinto se foi realmente espetacular. O nosso esporte vive de oportunidades. Lutamos para ter uma bola e nós, infelizmente, não colocamos no chão quando foi preciso. Mas acho que toda a expectativa que foi colocada nessa final foi correspondida. Não conseguimos matar o jogo, mas outras competições virão e vamos treinar mais para ter sucesso nas próximas”, disse Pacheco.

O jogo

Murilo começou o jogo no saque e, no erro de ataque do Cruzeiro, o Sesi-SP abriu o placar da grande decisão. O time de São Paulo começou melhor (5/3), mas no ataque do central Éder, a equipe mineira passou a frente: 6/5. A parcial seguiu equilibrada e, com Evandro, o Sesi fez 10/9. O Cruzeiro seguiu no comando do marcador (17/15). Contando com erros do adversário, o time de Minas Gerais fechou em 21/17.

O segundo set começou equilibrado. Quando o Cruzeiro fez 5/3, o treinador Marcos Pacheco trocou os opostos da equipe paulista. Entrou Renan e saiu Evandro. O jogo seguiu equilibrado. O central Lucão conseguiu um ace e o Sesi virou o marcador (7/6). Com uma boa sequência de saques do oposto Renan, os paulistas abriram dois (12/10). Os mineiros cometiam muitos erros e os paulistas fizeram 17/13. O Sesi seguiu melhor e venceu a primeira parcial por 21 /15.

O terceiro set começou disputado: 3/3. Com Lucão bem no saque, com três boas ações consecutivas, o Sesi assumiu o comando do placar e fez 7/4. Aconteceu o tempo técnico e, na volta, o central do Sesi-SP conseguiu mais um ace e mais um bom saque, que resultou em ponto para o time paulistano: 9/4. O técnico do Cruzeiro, Marcelo Mendez, pediu tempo e, na volta, Lucão fez mais um ponto de saque. O time de São Paulo seguiu bem e, no bloqueio de Sidão, fez 14/6. O Cruzeiro reagiu, fez 16/10, e o Sesi-SP parou o jogo. O time mineiro aproximou ainda mais (18/15), mas depois de abrir grande vantagem, o set ficou mesmoc om o Sesi: 21/16.

O Sesi seguiu melhor no início do quarto set e fez 3/0. Com um ace do ponteiro Luiz Diaz, o Cruzeiro empatou (5/5). No primeiro tempo técnico, a equipe paulista tinha um de vantagem (7/6). O saque da equipe mineira passou a funcionar e o time celeste abriu quatro (14/10). Neste momento, o técnico Marcos Pacheco inverteu o cinco e um. Entraram Evandro e Thiaguinho e saíram Sandro e Renan. Mesmo com as substituições, o time cruzeirense seguiu melhor e fechou o quarto set por 21/15.

O time de São Paulo saiu na frente no set decisivo. O Sesi esteve a frente em 5/3, mas, no ace de Eder, o Cruzeiro empatou (5/5). A parcial seguiu equilibrada, com as equipes sempre juntas no placar: 7/7. No erro do adversário, o time paulistano abriu dois de vantagem (9/7) e, com o oposto Wallace, o Cruzeiro empatou novamente (9/9). Com dois pontos consecutivos de bloqueio, o Sesi fez 12/9 e o time mineiro pediu tempo. O Cruzeiro reagiu, encostou em 12/11 e, no bloqueio de Eder, deixou tudo igual: 13/13. No ponto direto de saque de Eder, vantagem para o Cruzeiro: 15/14. O final do set foi extremamente disputado (16/16), (18/18), (20/20). No final, vitória por 23/21.

Depois das formalidades, Cruzeiro deu a volta olímpica no Ginásio Chico Neto, em Maringá (Ivan Amorin )

Um comentário:

cleiton Gama disse...

Jogão do caralho !!!