quarta-feira, 19 de julho de 2017

CAICEDO SAI CEDO



Novos ares aguardam o zagueiro Caicedo. Ele, internamente, é visto como um atleta que não deu certo e que, devido ao seu momento atual, de baixa técnica e de problemas pessoais, é melhor que ele saia. Ao menos, de forma temporária. Tanto que o jogador, contratado por US$ 1,6 milhão, deverá ser emprestado, a fim de que possa dar uma volta por cima em sua carreira e, futuramente, até ser reintegrado. Caso se destaque, um negócio em definitivo é algo que o Cruzeiro, hoje, não recusaria.

O certo é que o Cruzeiro trabalha para se fortalecer e "se livrar" de alguns "problemas". Assim como Caicedo, o atacante Ábila deve ser anunciado como "carta fora do baralho" entre hoje e amanhã. Contudo, diferentemente do defensor, o jogador sai em definitivo, livrando o clube da obrigação esdrúxula que o antigo diretor de futebol, Thiago Scuro, de pagar uma fortuna em torno de R$ 25 milhões pelo atacante. É de se lembrar que o acordo - lamentável, diga-se de passagem -, foi muito mal feito, no desespero, obrigando o Cruzeiro a pagar uma quantia surreal por um atacante de 27 anos e que, embora marque gols, não é nenhuma sumidade em sua posição. Tanto que é reserva atualmente. E racionalmente analisando, arcar com a dívida criada por Scuro oneraria os cofres do clube, já bem deficitário devido à algumas decisões da direção, principalmente nos últimos dois anos, que apostou em vários jogadores que não deram certo. Pagando a quantia que Scuro irresponsavelmente comprometeu o clube, fatalmente o Cruzeiro ficaria mais dois ou três anos participando de competições, tendo que se apegar à revelações da base ou investindo em jogadores baratos e que não dariam tanto retorno técnico. Ábila pode ser um bom jogador, de grupo, mas não vale investir essa quantia. Para por esse dinheiro na mesa, tem que ser jogador de seleção, inquestionável, que traga títulos. Com todo respeito ao Ábila, a proposta do Boca Juniors veio bem a calhar. Além de o clube recuperar um investimento mal feito, ainda "passa o pepino", uma vez que o clube argentino compraria a dívida do Cruzeiro e ainda negociaria com o Huracán outros termos para a compra dos 50% restantes. Por Ábila chegaria a Belo Horizonte, ainda, o meia Messidoro, tido como promessa do clube e um dinheiro, especulado em R$ 5 milhões.

Problemas
Apesar de o Cruzeiro ver com bons olhos a saída dos atletas, há o problema de não poder mais serem inscritos novos jogadores na Copa do Brasil. O campeonato mudou sua roupagem, mas esqueceram de revisar as datas de inscrição, idênticas às do ano passado, quando o torneio terminava no meio do ano. Agora, com o fim previsto para novembro, nenhum clube pode mais inscrever ninguém, mesmo com a janela internacional e nacional abertas. Isso, por exemplo, complica o Cruzeiro, que teria somente Rafael Sóbis e Raniel como atacantes de área. Na zaga, mesmo que acerte com Digão, não poderia inscrevê-lo. Assim, sem Dedé e Manoel, que ainda estão no DM, em uma eventualidade, o jovem Arthur seria o único a substituir Murilo ou Leo. 

5 comentários:

Pedro Lage disse...

Só uma correção: O campeonato mudou sua roupagem, mas esqueceram de revisar as datas de inscrição, idênticas às do passado, quando o torneio terminava no meio do ano.

Realmente, em temos de copa do Brasil complica bastante.

João disse...

Muito limitado o Caicedo, que vá embora , jogue muita bola por lá e seja vendido caro!

Val San disse...

Eu não achei Caicedo um zagueiro limitado. Ele é bom jogador é rápido e tem boa técnica, o defeito que eu vi nele foi o mal posicionamento, que pode ser corrigido. Creio que ele tenha tido dificuldades em adaptar-se ao sistema tático usado no futebol brasileiro tbém os atacantes daqui são muito superiores impondo a ele uma dificuldade extra nessa adaptação.

Revétria disse...

Concordo Van San. Ele enfrentou os melhores atacantes da América do Sul,defendendo a seleção do seu país. Acho que foi adaptação, o problema dele.

CONTABILIDADE GERALDO RIBEIRO disse...

ELE NÃO ADAPTOU AO MANO, RAFINHA, SOBIS, EZEQUIEL, FABIO E LEO