sábado, 17 de janeiro de 2015

CRUZEIRO VENDE 20 MIL CAMISAS E ESPERA NOVO LOTE

Foi mais difícil do que comprar ingresso para decisão de campeonato. A nova camisa do Cruzeiro teve procura recorde e os torcedores tiveram que passar longas horas nas filas para adquirir o produto. Alegria para alguns, frustração para outros. Grande parte dos cruzeirenses esperou por várias horas e mesmo assim não conseguiu comprar o uniforme.

Segundo o diretor de marketing do Cruzeiro, Marcone Barbosa, o clube não se preocupa com o esgotamento das peças em poucas horas, pois a reposição do estoque ocorrerá no próximo dia 23, nas lojas oficiais do clube. Na semana subsequente, todas as lojas esportivas de Minas também receberão o produto.

“Foi um recorde na história do Cruzeiro. Chegaram ao mercado ontem à noite 20 mil camisas. A gente já sabia deste cenário, e por isso o torcedor pode ficar tranquilo que não faltará peça. A reposição será rápida, o segundo lote chegará às lojas oficiais até o dia 23. Já estão sendo confeccionadas mais de 100 mil camisas sem patrocinadores, que serão vendidas nos primeiros meses do ano”, garantiu Marcone.

“Não estamos preocupados com o fato de a camisa esgotar. Isso é um problema bom. Nossa maior preocupação é a reposição. E existe a promessa do Cruzeiro e da Penalty ao torcedor que a reposição ocorrerá a contento”, completou o diretor de marketing celeste.

Longa espera e frustração

Na noite dessa sexta-feira, na loja do Barro Preto, a fila começava em uma ponta do quarteirão da rua Timbiras, “dobrava” a esquina e terminava no meio do quarteirão da rua Mato Grosso. Nas lojas do clube nos shoppings da capital, houve superlotação e as vendas ocorreram até as 2h da madrugada.

Vários estabelecimentos distribuíram senhas para os torcedores nas filas, a fim de garantir o produto a todos, dentro do limite de peças disponíveis no estoque, mesmo assim não foi suficiente e vários cruzeirenses foram embora para casa sem a camisa, depois de esperar por várias horas na fila.

Na manhã deste sábado, a situação se repetiu. No Barro Preto, a fila dobrava o quarteirão. Na loja do Mineirão, os torcedores começaram a formar fila às 7h, à espera da abertura do estabelecimento, previsto para as 10h. Por volta de 9h40, o primeiro funcionário da loja chegou e avisou à multidão que não havia mais camisa à venda, gerando revolta e frustração.

LINK ORIGINAL

2 comentários:

¶Azul•H(«MG»)¶® disse...

Coloquem mais oitenta mil camisas à venda,ou passarão vergonha!Fato!

Rafael Quirino disse...

A camisa ficou mto foda!
O cruzeiro tinha q arrumar uma forma de negociar sem o patrocinador msm depois q fechar com o máster.
Ganharia mta grana na venda