domingo, 13 de maio de 2012

JÓIA DA BASE COM UM NOME DIFERENTE: JUDIVAN

O Cruzeiro vive desde a metade de 2011 uma fase que não condiz com a grandeza do time, situação incomum comparada ao que vinha apresentando nas temporadas anteriores. No setor de ataque, o elenco azul tem a sua disposição apenas opções com características de área, carecendo de jogadores de talento e movimentação. Isto, porém, não reflete na base do clube, onde há talento de sobra que precisa receber as devidas oportunidades.

Na categoria sub-17 cruzeirense, quem tem chamado atenção há certo tempo é o atacante Judivan. Nascido em /95, o garoto surpreendeu ao ser titular já em seu primeiro ano na categoria juvenil, em 2011, beneficiado com as ausências da dupla Pedro Paulo e Léo, ora por convocações, ora por lesões. Rápido, forte e habilidoso, Judivan é o típico atacante que não surgia na Toca há um certo tempo e é a grande aposta do clube não só para acabar com a incômoda soberania do Atlético entre os /95, como também para ser a próxima revelação do clube na posição desde Guilherme.

Surgimento em Ribeirão Preto
Nascido em Sousa, na Paraíba, Judivan se mudou aos seis anos de idade para São Carlos, no interior paulista. Foi lá que deu seus primeiros passos no futebol, na escolhinha Salesianos, onde ficou por algum tempo. Aos 13, se destacou e foi o artilheiro em um torneio na capital. Foi então que seu treinador, Lincoln Bennite, figura importante na formação do atacante, o indicou para o então recém-criado Olé Brasil, clube-empresa da cidade de Ribeirão Preto.

Participou do Campeonato Paulista de 2010 e, após uma primeira fase irretocável, com onze vitórias e apenas uma derrota, o Olé Brasil foi eliminado na fase seguinte, em um grupo que contava com o Corinthians, campeão naquele ano. Apesar do revés, para Judivan ficou o saldo positivo de ter disputado o torneio como titular, tendo contribuído com dois gols. As boas atuações fizeram com que ele fosse procurado por Fabrício Zanello para que fosse agenciado e assessorado por sua empresa. E através de Zanello que desembarcou no Cruzeiro, no final do ano de 2010.

A adaptação num grande clube não demorou a acontecer. Desde que chegou à Toca da Raposa, mostra evolução e ótima mobilidade, podendo atuar também mais centralizado – ainda que precise melhorar o cabeceio. Ainda em dezembro do mesmo ano, disputou a BH Youth Cup e a SC Cup com a equipe sub-15 cruzeirense e, apesar do fraco desempenho da equipe, Judivan agradou e cavou espaço no ataque do time titular. Chance que conquistaria também no ano seguinte, em seu primeiro ano como juvenil.

Após sagrar-se campeão da Copa Integração com os /94, e da Gothia Cup na Suécia, quando foi o vice-artilheiro com 11 gols marcados, Judivan se consolidou no ataque da equipe de Hamilton Mendes na disputa do Campeonato Mineiro juvenil, sendo o vice-artilheiro do time – o terceiro do campeonato, com oito gols anotados. O título, entretanto, ficou com o rival Atlético, que voltaria a derrotar novamente o Cruzeiro na final do Future Champions ao final daquele ano. Judivan, que impressionou pelo ótimo controle de bola e a qualidade nas finalizações com a perna direita, foi autor de quatro gols e um dos destaques da competição.


Copinha, seleção e oportunidades
Neste ano, o atacante, que firmou contrato até 2016 com a Raposa, comandará a equipe sub-17 cruzeirense contra a sina de derrotas para o Atlético na geração /95, pensando também na próxima Copa São Paulo. Ainda com a indefinição da idade limite dos atletas que participarão da edição 2013, Judivan já visa uma disputa acirrada com Pedro Paulo por um lugar no ataque e a multifuncionalidade pode pesar a seu favor. 

Com idade para fazer parte do ciclo da Seleção sub-20 de 2015, boas atuações neste último ano de juvenil podem ser fundamentais para ele sonhar com uma vaga no grupo, ainda que possa enfrentar a concorrência dos badalados Victor Andrade, Andrigo e Leonardo na posição.

A má fase que passa o Cruzeiro reflete parte da falta de oportunidades que o clube dá aos jogadores da base. A cobrança da torcida com relação a isso só aumenta, ainda que o presidente Gilvan de Pinho Tavares, a passos lentos, prometa mudar esta situação. A receita para essa mudança o clube já tem, é preciso dar as oportunidades. E talentos pra isso, como Judivan, não vão faltar.

Ficha técnica:
Nome: Judivan Flor da Silva
Data de nascimento: 21/05/1995
Cidade de Nascimento: Sousa (PB)
Clubes que defendeu: Olé Brasil e Cruzeiro
Seleções de base que defendeu: nenhuma

FONTE: OLHEIROS

5 comentários:

Junior disse...

Esse joga muito! pena que nosso time prefere trazer bondes a dar oportunidades a base.

Anônimo disse...

Jóias da base ??? Fidel Martinez, Bernado, Meio campo do Figueirense e o colombiano meio campo deo Ceará, Thiaguinho (que não fez nada no vila nova) tbem eram joias da bases ....

Cruzeirense Apaixonado disse...

ai cornetada do caralho. 2014 e o mlk ja começo a provar aque veio

Adriano Silva Teixeira disse...

Adriano judivan vc joga muito o mundo vai acabar conhecendo seu belíssimo futebol vc está representado são carlos muito acredita em Deus seja umilde força judivan

Adriano Silva Teixeira disse...

Adriano judivan vc joga muito o mundo vai acabar conhecendo seu belíssimo futebol vc está representado são carlos muito acredita em Deus seja umilde força judivan