quinta-feira, 3 de abril de 2014

HORA DE PROVAR O APELIDO

Em situação complicada na Libertadores, o Cruzeiro terá mais uma chance de provar, na próxima quinta-feira, que é 'La Bestia Negra' das equipes chilenas. Com histórico amplamente favorável diante dos times daquele país e também contra a Universidad de Chile, a equipe celeste precisa manter a escrita positiva e derrotar o rival fora de casa para seguir em busca de uma vaga nas oitavas de final.

O apelido de 'La Bestia Negra' que tanto orgulha os cruzeirenses e virou até tema de música da torcida que embalou a campanha do tricampeonato brasileiro, foi dado justamente pelos chilenos. No início dos anos 1990, a equipe estrelada colecionou uma série de bons resultados contra os vizinhos sul-americanos e especialmente o Colo-Colo, o que fez com que a imprensa chilena tratasse o Cruzeiro como a Bestia Negra do time mais popular do Chile.

Essa história começou em 1991, na disputa da Supercopa, quando o então atual campeão da Libertadores, o Colo-Colo, caiu nas penalidades. No ano seguinte, na Recopa Sul-Americana, disputada no Japão, o time chileno deu o troco também na disputa de pênaltis. Porém, o Cruzeiro criou uma supremacia diante do rival com vitórias consecutivas no mesmo torneio, nos anos de 93, 95 e 96, quando foi novamente campeão.

O duelo mais emblemático entre as equipes certamente ocorreu em 1997. Depois de vencer a primeira partida em casa por 1 a 0 na seminal da Libertadores, o Cruzeiro conseguiu superar a pressão do rival mesmo jogando com um a menos no fim da partida e com grande atuação do goleiro Dida foi derrotado, por 3 a 2. Na decisão por pênaltis, o time celeste mais uma vez prevaleceu e foi para a final quando se sagrou campeão da Libertadores.

O lateral Nonato, que participou de praticamente todas as conquistas da equipe brasileira naquele período, lembra com carinho o time de 97 que foi o último a levantar o troféu da Libertadores. 

"Aquela equipe era muito boa, tinha um excelente goleiro que era o Dida, o Vitor, o Baresi, o Gilmar, tinha eu, o Fabinho, o Palhinha, o Marcelo Ramos, que botava a bola para dentro. Era um grande time e já estava acostumado a jogar essas competições, tanto que já tínhamos sido campeões da Supercopa em 96", destacou.
No retrospecto geral sobre o Colo-Colo, a vantagem do time celeste é enorme, com oito vitórias, oito empates e três derrotas. E o bom rendimento se estendeu às demais equipes do país, já que o Cruzeiro tem superioridade no retrospecto sobre a Universidad Católica, a Universidad de Concepcion e a Universidad de Chile, o próximo adversário. O único chileno que leva vantagem é a Unión Española, que eliminou os mineiros na Libertadores de 1994 no único embate entre as equipes.

Contra a Universidad de Chile, o Cruzeiro precisa fazer prevalecer o retrospecto e manter os 100% de aproveitamento contra o rival em jogos oficiais. Esta será a quarta partida entre as equipes em toda a história. Os dois primeiros duelos foram em 2009, nas oitavas de final da Libertadores, quando os cruzeirenses avançaram e chegaram até a final.

Fábio e Henrique fizeram parte daquela campanha e novamente irão entrar em campo nesta quinta. "Lembro bem, nós vencemos em casa, por 1 a 0, e vencemos lá de 2 a 1. Foi um jogo difícil, um adversário que era muito bom já naquela época, tinha bons jogadores, atletas de alto nível, fomos lá e vencemos. O Cruzeiro tem tudo para continuar vivo na competição", destacou o volante.

A outra partida foi no primeiro turno da fase de grupos desta temporada, quando os brasileiros mais uma vez mostraram a sua força diante dos chilenos e golearam por 5 a 1. O resultado adverso no Mineirão fez os jornais chilenos resgatarem esse retrospecto amplamente negativo diante do time azul e a alcunha de 'Bestia Negra'.

De volta ao time após ser poupado contra o Boa Esporte, o meia Everton Ribeiro é uma das esperanças da torcida para buscar a reabilitação na Libertadores. Recuperado, ele espera que a equipe continue sobressaindo sobre os vizinhos sul-americanos. "O Cruzeiro tem uma história muito boa na Libertadores, temos que tirar o melhor disso para a gente, independentemente de ser outra época, se o retrospecto é bom, vamos tentar manter", ressaltou.

Outro aspecto benéfico para o clube estrelado e que poderá levar bons fluídos aos comandados de Marcelo Oliveira é o estádio Nacional do Chile. Lá, a equipe conquistou o primeiro título da Libertadores, em 1976, contra o River Plate e nunca perdeu uma partida oficial. Nos cinco jogos disputados, a única derrota foi para a seleção chilena em um amistoso em 1980.

O experiente atacante Júlio Baptista, que será o principal encarregado de fazer os gols da equipe, espera que a história mais uma vez conspire a favor do lado azul. "São coisas que ajudam, até mesmo pelo fato de ser uma coisa que ficou no passado, mas é algo positivo, que pode acrescentar e influenciar para a gente dar um passou rumo à classificação", disse.

"Porém, é só um retrospecto, cada jogo é diferente e não podemos deixar ser guiados apenas por isso. Temos que pensar no momento de cada clube, respeitar, mas também saber da força que o Cruzeiro tem. Se fizermos tudo direitinho em campo isso tende a seguir", acrescentou o camisa 10.

FONTE: UOL

2 comentários:

RUTILHO disse...

O que se observa e segundo comentários da mídia o Universidad tem um bom ataque mas a defesa não é lá essas coisas. Nós temos mais time, o momento psicológico indica que devemos ser essencialmente agressivos, nada de encolher. Jogar com responsabilidade não é acovardar, recuar. É saber que temos o melhor time e a vitória é o objetivo e será conquistada. Já vi o Cruzeiro vencer e ganhar títulos em São Paulo contra tudo e contra todos e essa partida de hoje não chega nem perto daquelas.Venceremos.

¶Azul•H(«MG»)¶® disse...

Não sei porque a imprensa,ou parte dela,vive falando em oito milhões de torcedores,quando na realidade ultrapassam os DOZE MILHÕES... Achoq eu não acompanham as pesquisas e não sabem fazer contas.